sábado, 12 de março de 2011

Onde eu possa levar meus amigos, meus discos e livros...

Sabe o que me dá inveja nos seriados americanos da década de 90: Seinfeld, Friends e Will and Grace?
Muita coisa!
Morar em NY.
Ir a um café aconchegante e familiar onde os garçons te conhecem.
Ter uma sala lilás como a da Mônica com suas cadeiras diferentes e coloridas, seu sofá charmoso e sua cozinha cheia de armários azuis. E adoro a moldura no olho mágico da porta! E o apartamento do Will com aquela lindíssima cozinha e a mega varanda? Um charme.

Mas o que me mata de inveja é ter amigos queridos entrando e saíndo da minha casa a toda hora. Sem ligar para avisar antes, sem formalildades, abrindo minha geladeira sem pedir, se convidando para ficar para o jantar... ai que delícia!!!!

Fui assim na minha infância e adolescência.
Dormia na casa das amigas, deitava nos sofás da turma para ver televisão, entrava sem bater na casa dos outros, recebia o povo por horas no meu quarto com direito a lanche, TV e ficar para dormir se quisessem.

Quando eu chegava na casa das amigas (e isso era um clássico) sempre falava: "Tem alguma coisa gostosa para comer?". Todos pensavam que eu devia passar fome na minha casa porque eu era muito magra e vivia faminta, mas não. É que minha mãe era natureba, vegetariana, e comer folhas de cenoura com gersal e arroz integral não era meu ideal de almoço gostoso.
Até hoje quando chego na casa das amigas antigas as mães delas vão abrindo a geladeira e tirando mil coisas para me oferecerem. Aí quando recuso elas falam: "A Claudinha, deixa de frescura, assim eu não te reconheço." Que vergonha...

Depois, na faculdade, éramos uma grande família. Cinco anos morando com amigas maravilhosas MAIS todas as outras repúblicas da turma. Era uma delícia só. Fora o fato de morarmos em Ribeirão Preto, cidade que te convida para ficar na calçada batendo papo até de noite.

E aí a coisa acabou.
Não tive mais vizinhos que entram sem avisar, não tive mais gente que deitava na minha cama para me contar como foi o dia, não tive mais amigos queridos para assistir televisão comigo e dar risada dos seriados americanos, não tive mais pessoas que abriam minha geladeira para se servir do que bem entedessem, não tive mais amigos ficando para dormir...
E ISSO me faz muita falta.

A vida não deveria nunca ser assim.
Deveríamos poder ter as portas abertas por toda a vida, a geladeira cheia de guloseimas para a galera, um colchão reservado para os amigos dormirem, uma roupa sobrando para emprestar se precisarem tomar banho, receber as visitas de pijama, um sofá grande para vermos TV juntos.

Amigos fazem falta. Amigos queridos dentro de casa são vitais para uma existência saudável e um lar harmônico.
E neste ponto eu lamento profundamente a vida adulta. Tavez mais a vida de casada, onde deixamos de ter foco e tempo para as amizades.

E como já dizia Roberto Carlos:
"Você precisa de um Kramer prá chamar de seu, mesmo que este Kramer... seja eu." 

Quero um Chandler Bing comendo minhas sobremesas, quero um Jack entrando para me contar sobre seu último namoradinho, quero uma Elaine Benes me batendo feliz dizendo: "Get out of here.", quero um George atacando meus cereais, uma Grace chorando no meu sofá por uma tragédia amorosa.

E mais do que tudo, quero poder ter a certeza de que meus amigos queridos ainda se lembram de como era bom termos tempo sobrando para sermos felizes juntos.



Por isso gosto da internet.
Não uso a net para fazer novos amigos. Acho isso esquisito e surreal.
Uso ela apenas para sentir minha casa invadida pelos meus Kramers derrapantes e estabanados...

6 comentários:

  1. Riiiii....crash!!! Ta, papabum!! Ops, entrei! rs...
    também sinto falta disso tudo (menos das séries americanas! mas disso nem precisamos falar...).
    Saudades muitas, querida.
    Até amanhã, se a internet permitir.
    Boa noite.

    ResponderExcluir
  2. Não se preocupe! A era dos amigos dos filhos esta chegando e logo logo vão aparecer 10 escovas de dente no copo do banheiro, roupas desconhecidas para lavar, roupas desaparecidas e quartos fechados cheios de segredos. Você vai adorar !um beijo saudoso Climene

    ResponderExcluir
  3. E de repente você está com essa casa aberta aqui, cheia de portas coloridas, cadeiras divertidas e sofás aconchegantes e em dois meses recebeu três mil visitas divertidas pra abrir a sua geladeira e compartilhar um pouquinho dos seus cereais... A GENTE AGRADECE E ABUSA DA SUA HOSPITALIDADE, "MONICA"!!!!

    ResponderExcluir
  4. Nem um mês ainda!!! É verdade é bom demais receber amigos, e tem até uns "bicos" fofos e súper simpáticos que podem até colocar os pés na mesinha de centro, ok?

    ResponderExcluir
  5. Claudinha, acho que nunca entrei sem bater na sua casa, acho até que nunca entrei na sua casa... mas a verdade é que cada texto seu me dá vontade de ficar papeando até cansar! E será que cansa? Me surpreendo cada vez que percebo a surpeficialidade dos temas que você descorre é um pouco do que eu tenho de mais profundo! Parabéns! Perfeito! Afiadíssima!

    ResponderExcluir
  6. To entrando e pedindo um daqueles salames de brigadeiro.


    Amigos do To, adolês fazem essa parte por aqui, como tua mãe disse.

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.