quarta-feira, 28 de maio de 2014

Lerê Lerê




A lista abaixo chegou até mim ao acaso. Não tinha referência, introdução e nem autoria. É muito útil e interessante para se criar adultos capazes, solidários e independentes. Ela estava em inglês e muitas das atividades não condiz com a nossa realidade brasileira, por isso eu traduzi e adaptei algumas tarefas para a nossa rotina. Ah, e dei pitaco em muitas coisas (entre parênteses), claro.

Antes vale dizer antes que:

  • Não existe nada de lúdico nisso. Não é brincar de fazer as coisas. É fazer de verdade! E a velha máxima "Quem faz de qualquer jeito, faz duas vezes" deve reinar sempre. As tarefas são sérias, diárias e obrigatórias. 
  • Mesmo que você tenha empregada todos os dias em casa, ela não deve se responsabilizar pelas tarefas das crianças (que vocês definirão quais serão). Arrumar as camas, guardar os brinquedos, molhar as plantas, alimentar os cachorros e lavar a louça depois de um lanche, por exemplo, é tarefa deles. Orientar a funcionária quanto a isso. 
  • Sempre bom fazer uma tabela com as atividades (assinada pela criança!!) e verificar o cumprimento dela ela todos os dias durante o primeiros dois meses. Depois vira rotina.
  • Nunca, jamais dê dinheiro em troca das tarefas. Ela ajuda porque precisa, e não porque será recompensada. A mesada é independente a isto.
  • Tenha paciência para ensinar no começo. Depois esse esforço valerá a pena.
  • Peça para que o pai/a mãe da criança cobre da mesma forma, senão vira bagunça.

Tarefas apropriadas de acordo com a idade das crianças

2-3 anos
  • guardar os brinquedos nas caixas (caixas leves e dispostas em armários baixos e firmes)
  • colocar livros nas prateleiras (livros são irritantes porque escorregam, providenciar um aparador sempre)
  • guardar a roupa suja no cesto
  • jogar o lixo no lugar certo
  • ajudar carregar as compras 
  • dobrar pano de prato e cuecas/calcinhas
  • colocar a mesa antes das refeições
  • buscar objetos simples quando solicitado (papel, copo, toalha, etc)
4-5 anos
  • alimentar os bichos de estimação
  • limpar algo que derramou
  • retirar a roupa de cama para lavar
  • arrumar o quarto
  • molhar as plantas 
  • preparar lanches simples (ex: passar manteiga na torrada, fazer um leite com Nescau)
  • esvaziar a mesa depois das refeições
  • enxugar e guardar a louça
  • recolher cartas da caixa de correio

6-7 anos
  • coletar os lixos da casa (e repor com um saco novo)
  • dobrar toalhas
  • lavar louças simples (copos, talheres, pratos, ainda com a ajuda de uma cadeira)
  • enrolar/dobrar as meias
  • tirar ervas daninhas do jardim (uma vez pedi isso ao meu filho e ele arrancou todos pés de salsinha! explicar antes)
  • rastelar as folhas do quintal
  • catar o cocô dos bichos de estimação
  • arrumar a cama (estendendo sobre o colchão, dobrar ainda é difícil pela pouca altura e braços curtos)
  • descascar batatas e cenouras (com o descascador, claro)
  • lavar as folhas e fazer salada (ainda com uma cadeira na pia)
  • repôr o papel higiênico no banheiro (um sonho? que todos aprendessem isso na infância, o mundo seria bem melhor)
8-9 anos
  • colocar a louça na máquina de lavar
  • trocar lâmpadas dos abajures (crianças adoram isso)
  • colocar a roupa na máquina e ligá-la
  • esvaziar a máquina de lavar roupa (e colocar num varal baixo, desses dobráveis)
  • passar pano nos móveis
  • lavar o quintal/garagem com a mangueira
  • comprar coisas simples em mercados/lojas próximos
  • guardar as compras do supermercado
  • fazer comidinhas (ovos mexidos, pipoca, miojo, um sanduiche, um leite quente, bolo de caneca no microondas)  
  • fazer sucos
  • usar a faca para cortar coisas simples (pão, legumes, frutas, queijo)
  • passear com os cachorros
  • varrer pequenas áreas 
10-11 anos
  • limpar banheiros
  • lavar toda a louça (incluindo panelas)
  • colocar lençóis novos na cama
  • aspirar a casa
  • dobrar e guardar roupas
  • limpar o fogão
  • lavar a cozinha
  • preparar refeições simples (lasanha, macarronada, montar uma pizza, fazer arroz)
  • usar o cortador de grama
  • fazer pequenas costuras (botões, pequenos rasgos)
12-13 anos
  • passar pano no chão
  • trocar as lâmpadas do teto
  • lavar/aspirar o carro
  • podar as plantas
  • pintar paredes
  • fazer as compras
  • cozinhar uma refeição completa
  • fazer pães e bolos
  • limpar janelas
  • passar roupas simples
  • cuidar de crianças menores


domingo, 25 de maio de 2014

RED LABEL

Se você tivesse que usar uma etiqueta de aviso,
o que a sua diria?

Uma amiga postou esta frase outro dia pedindo que os amigos dela respondessem à pergunta. Surgiram respostas variadas (a maioria sobre avisos de mau humor e transtornos emocionais), mas eu, besta como sou, só conseguia pensar em alertas sexuais. E a minha brincadeira mental levou a isso:
PROIBIDO PARAR E ESTACIONAR
(para os muito machos)

VIA DE MÃO ÚNICA
(porque não custa nada reafirmar)

CUIDADO! FRÁGIL
(para quem quer se arriscar, mas tem medo)


AGITE ANTES DE USAR
 
 (para os inseguros)

NÃO DESPREZE O PRIMEIRO JATO
(para quem sofre de ejaculação precoce)

PRODUTO SORTIDO: 
MODELOS E TAMANHOS PODEM VARIAR
(para as desavisadas)

CUIDADO! 
PONTE ELEVADIÇA À FRENTE
 (para as distraídas)


CONTÉM PARTES PEQUENAS QUE 
PODEM SER ENGOLIDAS 
(para quem ainda tinha dúvida)

ELEVADOR EM MANUTENÇÃO
(para os impotentes)


ALTURA MÍNIMA PARA USAR 
ESTE BRINQUEDO: 1,50 mt
 (abrimos algumas poucas exceções) 

DURANTE O USO O PROPRIETÁRIO NÃO DEVE DIRIGIR VEÍCULOS OU OPERAR MÁQUINAS POIS SUA HABILIDADE E ATENÇÃO PODEM ESTAR PREJUDICADAS
(assinado: Comandante Rolim Amaro*)





LAVE ANTES DE COMER
 (just in case...)

NÃO CONSUMA SE O LACRE ESTIVER VIOLADO
(para os muito puritanos)

PROIBIDA A ENTRADA DE ESTRANHOS
(para as recatadas)

CUIDADO! PISO ESCORREGADIO
(para as libidinosas)

MATERIAL INFLAMÁVEL
(para as muito libidinosas)

ESTAMOS EM OBRAS PARA MELHOR SERVÍ-LO. 
GRATA PELA COMPREENSÃO.
 (durante a menstruação)

PEQUENAS PARTíCULAS PODEM SE 
DECANTAR NO FUNDO, 
O QUE NÃO ALTERA A QUALIDADE DO PRODUTO
(para quem ainda não sabe)

PEDIMOS A GENTILEZA DE NÃO 
FILMAR OU FOTOGRAFAR O ESPETÁCULO
(em tempos de internet, não custa nada se prevenir)

PODE CONTER TRAÇOS DE LEITE
(para as muito ocupadas)






FAVOR VERIFICAR DIAS E HORÁRIOS DE VISITAS
(porque nem todo dia é dia)

BATA ANTES DE ENTRAR
(é sempre elegante avisar)

e, claro...

É EXPRESSAMENTE PROIBIDA 
A ENTRADA DE ANIMAIS!!!!!!







* É estranho muitas pessoas não saberem disso, mas o fundador e presidente da TAM morreu dirigindo um helicóptero ao mesmo tempo que recebia um blowjob.







sexta-feira, 23 de maio de 2014

Quem me ensinou a amar? Foi, foi marinheiro, foi os peixinhos do mar.


Ontem foi o dia do abraço (não me perguntem como e nem o porquê) e muitas pessoas nas redes sociais postaram esta famosa foto de uma garotinha apaixonada por um peixe. Digo que ela é famosa porque já roda pelo meu feed há alguns meses, sempre com intenções fofas. E ontem a imagem, repetidamente compartilhada, vinha acompanhada de frases como: "Que delícia de abraço!!"; "Feliz dia do abraço para vocês!", "Fulana, sinta-se abraçado assim por mim.", etc.

Oi? 

Ninguém reparou no absurdo da foto??



Se eu tivesse que escolher uma metáfora para ilustrar o amor errado eu nunca seria tão assertiva. Amar errado é quando uma menina ama um peixe e acha que, por isso, tem o direito de agarrá-lo.  

É claro que o contexto real da foto deve ser algo totalmente diferente. O pai da menina devia ser pescador, pegou um peixe, deixou-o morrer sadicamente saltitando pela areia, a pequena Felícia* ficou com pena (ou achou divertido) , o agarrou, a mãe achou lindo e fotografou. Ou algo parecido, não importa. O que importa é a interpretação bizarra que as pessoas fazem da cena.

-Dane-se a vida dele. Dane-se que ele tem necessidades. Ela quis abracá-lo e é isso que importa. Não é fofo?



Mês passado dei uma bronca em homens velhos e babacas que faziam carinho e beijavam a boca de minúsculos coelhinhos expostos num pet shop para serem vendidos na Páscoa (sim, pessoas equivocadas ainda compram coelhos para engambelar os filhos na data). Acima dos coelhos havia a placa "não toque nos animais", mas os caras amavam demais os peludos para se preocuparem em poupar os pobrezinhos dos seus próprios germes. Diante do meu sermão eles disseram: "Ahhhhhh, eu sei que é errado, mas eles são tão fofos!!". Gays.




Um peixe precisa de um abraço tanto quanto precisa de uma bicicleta, parafraseando a lógica que não tem autor e que rola à solta pela internet. Gostei da ideia da frase agora ser do Bono. Faz mesmo sentido um cara que canta "I can`t live with or without you" dizer uma bobagem dessas.

Podem me chamar do que for, mas acho criminoso a gente incentivar nossos filhos a aprisionar bichos para poder apreciá-los e amá-los sempre que der vontade. Hamsters, peixes, passarinhos, tartarugas, e muitos gatos e cachorros (não todos) são uns coitados adorados por pessoas egoistas e vaidosas e que se acham no direito de prender o objeto amado e ainda se divertir com isso. Já briguei feio numa pré-escola por causa dessa ridícula filosofia. A dona achava fofo ter aquário, coelhinhos em gaiolas e jabutis rotineiramente torturados por bebês. Achava que, com isso, colocaríamos a natureza ao alcance de crianças urbanas e, assim, eles aprenderiam desde cedo a cuidar dos animais.
Balela.
Experiências assim só ensinam as crianças a amar errado. Só mostram como aprisionar os amores e, muitas vezes, matá-los.

Vale dizer que a minha preocupação não é apenas com os animais e não é sobre eles que eu estou falando.

"Oncinha pintada, zebrinha listrada,
coelhinho peludooooooooo...."
(Titãs)

Me preocupo é com o sentimento equivocado de poder que ronda a humanidade.
A verdadeira educação amorosa, respeitando o parceiro e apreciando a liberdade alheia, deveria ser ensinada nas escolas desde o pré, sendo bastante enfatizada no início da adolescência.
Regra nº 1: Não, você não pode fuçar no celular do seu namorado. E nem na vida dele. Isso é errado.
Regra nº2: Se ele quer sair com os amigos você não tem que pensar se deixa ou não, porque esse é um poder que você NÃO TEM! 
Regra nº3: Se ele quiser ir embora não fique brava. Pode chorar, pode ficar com saudade e pode dizer isso a ele quantas vezes quiser (embora não devesse), mas não fique brava. Ele não é seu.
Etc, etc...


A lavagem cerebral deveria ser tão bem feita que, enfim, seria óbvio dar à pessoa amada não aquilo que você, neuroticamente, deseja, mas o que ela precisa. Aceitar a distância se ela for importante para o outro. Suportar ser abandonado e trocado se isso representar a felicidade alheia.
Puxa, é tão fundamental!
Quantas tristezas, quantos BOs e quantos crimes passionais seriam evitados se a gente ensinasse os nossos filhos a apreciarem a liberdade ao invés de se divertir com ratos correndo numa roda?





Felícia é uma menininha chata que adora os bichinhos.