quinta-feira, 14 de abril de 2011

Os remédios e as razões psiquiátricas


Fluoxetina, Sertralina, Venlafaxina, Amitriptilina,
Tupac, Rivotril, Diazepam,
Frontal, Lexotan, Exodus, Pondera, Orap. 
"E o pulso ainda pulsa.
E o corpo ainda é pouco."
(Arnaldo Antunes)

Você toma ou já tomou algum destes aí em cima? Não????? Incrível...
70 % das pessoas que eu conheço tomam.
Não, eu não estou falando dos meus pacientes! Se fosse, ia ser realmente uma amostra bastante suspeita. Estou me referindo ao meu círculo pessoal de amizades, gente que sai por aí para bater papo furado com diagnósticos secretos de TOC, Depressão, Bipolaridade, Transtorno de Ansiedade e até a famosa Síndrome do Pânico.
Tudo devidamente medicado, garantindo uma boa qualidade de vida à galera que, agora, consegue sair e dar risada.

Rivotril é atualmente um dos 10 remédios mais vendidos no Brasil, junto com Paracetamol, VickVaporub, Pílula Anticoncepcional, Hipoglos... não é incrível?
E comprá-lo é burocrático e chato: receita azul, duas cópias, preenchimento obrigatório dos seus dados pessoais. Quer dizer: existem médicos por trás da venda do Rivotril, porque não é nada que possa ser vendido indiscriminadamente para satisfazer um simples desejo de auto-medicação.

O VickVaporub é.
Aliás, alguém já viu algum médico prescrever Vick para uma criança gripada? Eu também não, mas uso sempre. É a crença popular vencendo anos e anos de pesquisa médica e milhoes de dólares investidos pelos laboratórios que financiam congressos e contrata elegantes representantes para convencerem os médicos a prescreverem os remédios deles.
-Não doutor, obrigada, pode guardar a amostra-grátis do seu laboratório milionário. Eu uso o bom e velho VickVaporub no peitinho e no nariz do meu filho. E às vezes até passo entre o nariz e a boca para ele dormir sentindo aquele cheirinho!

Hahahah, quantas vezes já dormi assim! O catarro derrete e vai escorrendo por cima da pomada. 
E tem gente que jura que o efeito é ainda melhor se você passar nos pés e colocar uma meia! Deve ser mesmo uma delícia sentir os pés gelando e depois esquentando com a cânfora.
Ok, vou fazer isso hoje a noite, depois conto para vocês.

Bom, não estou aqui para dizer se os médicos estão certos ou errados diagnostiando e medicando um excessivo número de problemas psiquiátricos e nem tenho a pretensão de concluir algo sobre as razões do aumento brutal da venda de antidepressivos e ansiolíticos.
Só quero dizer que não acho que tem a ver com o estresse das grandes cidades porque nas vilas pequenas e bucólicas as coisas são ainda piores.

Moro numa cidade linda, sem violêcia urbana, sem trânsito (aqui não tem semáforo!), sem assalto, natureza abundante, onde os vizinhos sentam na calçada para conversarem e as crianças brincam na rua. Mesmo assim o índice de suicídio aqui é altíssimo. As fobias são epidêmicas: pânico de lagartixa, de chuva, de morcego, de sapo, de subir na balsa e de ... lagarta, que aqui se chama mandruvá.
TODO mundo tem medo de mandruvá nessa cidade!!! As crises de ansiedade em lugares amplos, como uma queremesse, são uma constante e as professoras, como no restante do país, estão deprimidas e estressadas. E vira e mexe aqui também tem crimes bárbaros e brutais, em geral com motivações passionais. Vocês já ouviram a música da Cabocla Tereza? Pois é, tipo aquilo.

"Agora já me vinguei. É esse o fim de um amor
Esta cabocla eu matei. É a minha história, dotor."
 
Cansei de ser fofo.

Vocês já foram no paraíso de Fernando de Noronha?
Lugar lindo, absurdamente bem conservado, mas é só bater um papinho rápido com algum morador local para perceber como eles são deprimidos e tristes. Inacreditável!
Aqui no Brasil o campeão de suicídio é Pomerode, uma cidadezinha pacata e maravilhosa de Santa Catarina. Colonização alemã, arquitetura fofa, paisagem linda... mas as cordas são o artigo de maior venda na cidade.
Vai entender!

Portanto, não dá para, estatisticamente, buscar dados que justifiquem a depressão e o suicídio.
Falta de Sol? Não, porque senão em Ferando de Noronha não haveria este problema.
Estresse urbano? Não, porque senão Pomerode estaria livre.
Falta de Deus? Não, porque o aumento incrível das novas religiões nunca foi visto na história do país.

O que eu acho é que assim como a pedofilia, os crimes, a inveja, a religião, os ritos, a homossexualidade... os distúrbios psiquiátricos acompanham a existência da raça humana, independentemente da época e do lugar.
Só que agora são medicados. Se isso é bom ou ruim a longo prazo? Eu não sei.
Só sei que para a pessoa que sofre é um grande alívio. Portanto, a curto prazo ajuda bem.

Tem gente que fica ansioso num show do U2 com milhares de pessoas.
Tem gente que fica ansioso numa missa com 150 pessoas.
Tem gente que tem pânico de elevador.
Tem gente que tem pânico de canoa.
Tem gente que tem medo de ladrão.
Tem gente que tem medo de sapo.

Só muda o nome... o resto é tudo igual.
E os remédios são benvindos para muita gente, contanto que tenha um bom médico por trás para saber quando e como interrompê-los.
E se é que se deve interrompê-los!!! E isso é uma outra história que pretendo falar um dia aqui no blog.  

3 comentários:

  1. Uma vez tomei um ansiolítico (parar de fumar), acredita que tive anorgasmia?! Quase entrei em depressão ou síndrome do pânico rsrsrsrsrsrs
    Experimentei a fluoxetina, (tava depre no trampo) achei péssima a falsa sensação de felicidade.
    Mas, conheço pessoas que tomam pq precisam, mesmo. E a qualidade de vida melhora muito!

    ResponderExcluir
  2. Os problemas sexuais costumam ser os campeões de reclamação dos efeito colaterais, infelizmente. Não dá mesmo para ter tudo!!!
    "Os nossos melhores cientistas já estão trabalhando nisso, em breve reestabeleceremos a sua libido... obrigada por ligar!". Bjs!!!

    ResponderExcluir
  3. "A dor na alma dói no corpo" - foi o título de uma reportagem que saiu há mais ou menos duas semanas na revista Veja. Alguém leu? O psiquiatra americano Stephen Stahl, professor da universidade da califórnia, decidiu estudar a relação entre a dor física e depressão. Apesar de acometer até 80% dos doentes, um problema raramente é associado ao outro. Acho que os remédios são importantes pra quando se precisa e muito. Mas acredito que os remédios acabam dando uma maqueada, mas não resolvem o problema em si. Até pq o remédio não cura a dor da alma, ele alivia. Mas ir a fundo, na raiz do problema, não! Deve-se ter todo um cuidado quanto a isso. Pq nada na vida é fácil. Não existe uma receita/fórmula pra ser feliz. Há que se ter uma batalha, seja pra eliminar o medo, pra exterminar a depressão, enfim...tantos outros problemas que todo ser humano "pode" quem sabe ter um dia.

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.