quarta-feira, 11 de maio de 2011

Um som ambiente para o seu porão.


Não consigo sair do assunto dos porões e sótãos do post anterior, e o pior é que fiquei presa justamente no porão. Maldito Josef Fritzl!!! Vai procurar meu disco do Blitz e me deixa em paz!!!!


"Hei, Fritz, cadê meu disco do Blitz?"
(Os mulheres negras)


Ai, ai.
Bom, enquanto estive filosofando no porão, me dei conta de como a popularidade dos porões é incrivelemente maior que a dos sótãos. Ninguém está interessado em gente bem resolvida e feliz. Amamos saber das dores da perda, das feridas sangrenta do amor que se foi, da delícia sádica em ver a fulana que te largou se dando mal na vida... putz... um prato cheio para as músicas de baixo calão.

E a dor de corno é o pano de fundo básico para todas elas. As variações são pequenas e, as vezes, quase imperceptíveis.

"Eu vou escrever no seu muro e violentar o seu gosto, eu quero roubar no seu jogo, eu já arranhei os seus discos. Que é pra ver se você volta, que é pra ver se você vem, que é pra ver se você olha prá mim..." (Adriana Calcanhoto)
"Dei prá mal dizer o nosso lar. Prá sujar teu nome, te humilhar e me vingar a qualquer preço, te adorando pelo avesso. Até provar que ainda sou tua." (Chico Buarque)
"E nessa loucura de dizer que não te quero, vou levando as aparências, disfarçando as evidências, mas prá que viver mentindo se eu não posso enganar meu coração..." (José Augusto)
"Você me trocou por uma loira, e agora você quer mais que eu morra. Me disse que eu era muito especial, que tinha o beijo quente e uma boca sensual. (...) O que é que ela tem que eu não tenho???" (Afrodite se Quiser)
Essa última é boa demais, adoro! (afrodite se quiserem)

Bom, eu poderia ficar aqui o dia inteiro tamanha a abundância de opções, mas tenho uma música que ganha de todas porque, nela, a mulher sofredora adora o homem pelo avesso do avesso do avesso do avesso.
É uma mistura de Chico e Caetano!!!

Ela não quer só escrever no muro, acordar a família, arranhar os discos e sujar o nome do cara só para chamar a atenção e se vingar.
Não! Isso é pouco.
Ela teria prazer em... morrer... SÓ para saber que ele derramaria uma lágrima por ela. Tipos:"Morro, mas o cara vai chorar por mim! Oba!"
Tadinha.
Os suicidas possuem, mesmo sem desejar (afinal eles estão perturbados demais para desejar algo), este lado sádico por saber que provocarão o sofrimento nos outros. É comum ficarmos com uma mistura de dó e raiva do suicida, não é? E eles, indubitavelmente, estavam no porão do amor quando morreram.

E é óbvio que somente um fado seria capaz de tamanho baixo astral. Aliás os habitantes da península ibérica são mestres em nos fazer ter vontade de cortar os pulsos. Lembrei agora do Obelix dançando as músicas flamencas sofridas no "Asterix na Hispania." Lembram?


 "Ayayayaya que desgraça ter nascidoooooooooooo! Ayayayaya mãezinha por que me fizeste isso??" (Goscinny)

E o Ideafix uivando em solidariedade, hahahah, Ó-TI-MO!!!


O fado português é tão sofrido que se torna lindo. Eu disse que é muito atraente esta história de sofrer por amor, não disse?
A letra da minha música eleita diz tudo: dormir e acordar mal, dizer que não quer mais o cara mas sonhar com ele de noite, encarar o sofrimento como um castigo, dormir no chão duro em cima do xale, medo de morrer no porão do amor, enfim, todos os ingredientes necessários para um belo drama.
Ouçam, mas não fiquem no porão, ok? Enxuguem as lágrimas e corram ao primeiro andar comer junk food, assitir a uma TV e falar mal da loira.




Lágrima

(Amalia Rodrigues)
Cheia de penas
Cheia de penas me deito
E com mais penas
E com mais penas me levanto
No meu peito
Já me ficou no meu peito
Este jeito
O jeito de te querer tanto
Desespero
Tenho por meu desespero
Dentro de mim
Dentro de mim o castigo
Eu não te quero
Eu digo que não te quero
E de noite
De noite sonho contigo
Se considero
Que um dia hei de morrer
No desepero
Que tenho de te não ver
Estendo o meu xaile
Estendo o meu xaile no chão
Estendo o meu xaile
E deixo-me adormecer
Se eu soubesse
Se eu soubesse que morrendo
Tu me havias
Tu me havias de chorar
Por uma lágrima
Por uma lágrima tua
Que alegría
Me deixaria matar.

4 comentários:

  1. Credo, que escuridão nesse porão (mas esse fado é lindo. De morrer).
    Posso abrir as janelas um pouquinho? http://vimeo.com/12982892

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Puxa, que linda a vista desta janela!! Adorei! Iluminou minha alma embolorada.
    Fado lindo de morrer é ótimo!
    Vamos acabar com essas lamentações e mudar o rumo desta prosa.
    Beijos, adoro vcoê! Estava com saudades das suas andanças por aqui.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, não tem um assunto mais interessante? lembre-se que as pessoas estão em situações, que na maioria das vezes, desejam estar "porão" ou em qualquer outro lugar se iludindo e depositando todas as expectativas em cima do (a) companheiro. acho engraçado no ser humano: "a culpa sempre é do outro, eu o amava tanto ou tipo: sempre fiz tudo para agrada-lo (a)".Amamos porque queremos, sofremos porque queremos e por ai vai... mais ser feliz em um relacionamento é uma realidade possivel. depois de alguns erros (normal) encontrei minha cara metade e do nosso jeito encontramos a "nossa maneira de ser feliz" o que pode ser relativo aos olhares alheios, que sempre adoram apontar o dedo (julgar) dizendo e comparando falsos conceitos de felicidade em livros de auto-ajuda e filmes do tipo : Comer,rezar e amar ou ao avesso (patetico!). o que é remedio para alguns e veneno para outros. " o seu amor ame-o e deixe-o ser o que quiser"

    ResponderExcluir
  4. uAU! pOIS FIQUEI ENFADADA!!

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.