segunda-feira, 16 de maio de 2011

A lição que aprendi em casa.


Sabe quando dizem que aonde tem fumaça tem fogo? Mentira.
Às vezes espalham a maior fofoca sobre você e não tinha nem fogo e nem fumaça. As celebridades sabem disso e aprendem, na marra, a lidar com difamações.

Não sou celebridade, mas um dia aconteceu comigo.
Coisa séria. Uma história maluca prejudicando muito a mim e envolvendo gente que eu gostava por demais.
Fiquei brava, peguei o telefone e fiz umas 8 ligações para encontrar o babaca que inventou a coisa. Chorei, me descabelei, fiquei mal. Queria marcar uma acareação com todos os envolvidos na história e investigar: "Quem inventou? Quem espalhou? Quem mais sabe desta história??"... meu interrogatório imaginário ia ser tenso, mas dalí sairia a verdade e minha reputação se mostraria intacta.

Por sorte (incrível como a sorte evita que façamos bobagens!) não consegui o número de telefone do figura que inventou a história e fui dormir.
Na manhã seguinte me olhei no espelho e ri: "Putz... que bobagem!! Que coisa pequena e tola."
Fui trabalhar feliz da vida e nunca mais lembrei do assunto.
Se continuaram falando de mim?
De verdade eu nunca soube. O que eu sei é que, depois de anos, o babaca continua um grandíssíssimo babaca e as pessoas que eu gostava continuam gostando de mim e, no fundo no fundo, nunca ligaram para essa história maluca.
~ Happy End ~


Estou dizendo isso porque não consigo entender gente que fica cutucando uma feridinha até ela virar algo purulento e danoso. Sabe? Gente que rompe amizades de aaaanos porque a fulana falou mal você. Que fica de mal da sogra porque ela disse para a cunhada que você é preguiçosa. Gente que diz que não pode confiar nos amigos porque blá, blá, blá.
Afff... boring.

Um dia estávamos numa viagem em grupo e meu namorado disse (com um misto de orgulho e apreensão) que minha amiga estava dando em cima dele. Minha reação foi: "Hahaha, tadinha, ela tá meio carente. Escuta, o que a gente vai fazer no almoço?".
Sempre fui péssima nesse negócio de ter ciúmes.

"Por isso, para o seu bem: ou tira ele da cabeça ou mereça o homem que você tem!!"
(Chico Buarque, adapt)

O duro é saber que existem pessoas que fechariam o tempo por causa de uma bobagem dessas. Acabariam com a viagem, com a amizade e até com o namoro.
Ah, me poupe.

Outra vez estive fora da cidade e, quando voltei, descobri que o bairro inteiro já sabia de uma bobagem que eu tinha feito.
Ai, ai, ai.
Eu sabia quem tinha espalhado (só podia ser UMA pessoa) mas nunca toquei no asunto com ela. Até hoje ela nem sabe que eu sei e nem nunca precisará saber.
Era só o que faltava. Tanta coisa mais importante prá se falar e fazer!! E o melhor de tudo: não maculou em nem um milímetro o carinho que eu tinha por ela.

E noutra vez vieram me dizer: "Claudia, eu sou sua amiga e te digo: não confie na fulaninha porque ela fala mal de você.". Achei altamente deselegante! Não da mulher que fala mal de mim (que está no direito dela, diga-se de passagem) mas na outra que envenenou algo desnecessário e tolo.
Continuo amiga das duas e prefiro não pensar em nada daquilo.
Opção minha. E vivo bem deste jeito.

O problema (ou melhor: a imensa sorte) é que vim de uma família meio estranha nestes assuntos de se ofender e ficar de mal.
Nunca fiquei de mal de alguém e nunca me senti traída. Nunca ouvi nada parecido também lá em casa.
Bobagens acontecem?
Sim. Muitas.
Todos nós, vez ou outra, fazemos bobagens, damos mancadas e passamos por cima de alguns princípios. É meio que humano essa coisa de pisar na bola.
Perdoo isso nos outros com uma facilidade incrível.
Por que em geral são coisinhas tão irrelevantes perto da grandeza da nossa vida. Sabe essa coisa de sair um pouco da fofoca e olhar a coisa de fora, por um outro ângulo, e dizer: "Nossa, só isso? Que bobagem.".

Mas... infelizmente não somos todos iguais e nem todo mundo encara as coisas numa boa.
Pena.
Preciso mesmo aprender a viver neste mundo de mágoas, ofensas e ciúmes.
É um aprendizado difícil e diário.

Ah, mas não sou feita de aço, não!!! Não rodo a baiana se dão em cima do meu marido mas, por outro lado, fico brava com outras coisas:
  • Gente que compra som roubado, celular roubado, GPS roubado, uma coisa de doido!!
  • Gente que joga lixo na rua!!!!!!!!!!!!
  • Gente que não devolve o carrinho do supermercado e o deixa atravancando a vaga alheia.
  • Gente que destrata porteiro, garçom e empregados!
  • Preconceituosos em geral. (E a minha contradição de hoje é: "Tenho preconceito contra pessoas preconceituosas!")
  • E ultimamente ando com birra de gente que... não recicla!! Hahahaha, sabe quando você vai na casa das pessoas e pergunta com a lata na mão: "Em que lixo em posso jogar a latinha de cerveja?" E eles respondem: "Ah, aqui a gente não separa." , e você tem que jogar sua lata num saco com casca de fruta, papel e copo quebrado... ai, me dói o coração.
Por isso, podem falar mal de mim e espalhar meus segredos mas, por favor, quando estiverem na minha frente devolvam o carrinho do supermercado, ok?

Kate devolvendo o carrinho do supermercado no dia seguinte ao casamento, mostrando ao mundo como ser uma
princesa de verdade.

E para terminar: sabe a primeira história do cara que inventou uma mentira que não tinha fogo nem fumaça? Pois é, depois de anos descobri que a coisa foi ainda mais maluca: ligaram para o meu pai e contaram a coisa toda para ele. E sabem o que ele fez? Nada. Nunca me perguntou se era verdade, se era mentira ou se eu tinha mesmo culpa. Nunca!
Para ele tanto fazia.

E neste dia descobri o tanto que meu pai me ama e me respeita. E mais: que ele tem uma imagem positiva e bonita de mim, independentemente das bobagens que ele ouve dos outros.
E, por isso, essa história ficou marcada. Não pela fofoca em si, mas porque, neste dia, meu pai me deu uma lição que eu nunca me esquecerei.

O amor que construímos nas relações com as pessoas forma um terreno seguro para caminharmos pela vida. Nenhum abalo sísmico afeta nossa caminhada quando temos a certeza
 que o terreno dará conta do tranco.


Bom demais saber disso. 

4 comentários:

  1. (Hoje vou apenas dizer, deixe o tempo correr. Mas é claro que o terreno dá conta do tranco).
    Lindo post.

    ResponderExcluir
  2. Nos sempre seremos muito orgulhosos de vocês ,filhas e as apoiaremos incondicionalmente .Beijos .Seus pais

    ResponderExcluir
  3. Papai sempre foi bom de dar conselho nesse sentido. me lembro quando ele me disse para nao me meter no namoro dos outros, e escolher minhas batalhas. E a gente sempre reciclou lixo, lembra em Los Gatos, o panico que a mamae tinha com aas regras do lixo?:)

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.