sábado, 21 de maio de 2011

Muita garagem para o seu caminhãozinho.

Ano passado dei um monte de palestras para adolescentes. E o assunto era sexo. Básico.
Ufa, pelo menos não era drogas. Ou bullying!
Ao pensar sobre o que falaria para a molecada, lembrei do professor bobão do Kevin Arnold ("Anos Incríveis") que desenha uma mulher quadrada e os órgãos reprodutores femininos parecendo uma vaca com chifres. Lembram? E os meninos, que estavam super entusiasmados com a aula de sexualidade, ficam desanimados e com sono, pbrezinhos.

Bom, mas é claro que as minhas palestras foram bem diferentes. Educativas, engraçadinhas e cheias de pimenta. Explicar os órgãos reprodutores é necessário e chover no molhado na história da camisinha nunca é demais. Entretanto, depois contei como sexo é uma coisa bacana e íntima. Falei do tesão, das zonas erógenas, da excitação evidente e, por vezes, vergonhosa dos homens e perguntei:
-E como é que sabemos quando uma mulher está excitada?
Silêncio.
Um garoto se atreveu a dar um palpite: bico do seio duro. Não, não, disse eu, pode ser apenas uma friagem.
A excitação masculina é que é dura. A feminina é mole e.... úmida.


A excitação feminina não é necessária para se manter uma relação sexual e, por isso, ninguém tá muito interessado em saber se a pobrezinha está preparada para receber o caminhãozinho na garagem. E aí é um tal de caminhão ralando o parachoque na coluna, os portões da entrada ficam tortos e difíceis de fechar, a altura máxima permitida não é respeitada e até o teto fica danificado. E depois o automóvel vai embora e a garagem fica toda estragada, suja e cheia de óleo. Arde depois para fazer xixi.

O ideal mesmo seria, antes de mais nada, conhecer o tamanho da garagem e do caminhão para ver se uma coisa cabe dentro da outra. Certa vez li um livro de uma dona de bordel que conhecia a medida da garagem de todas as moças da casa. Quando o cliente chegava, ela, então, avaliava o caminhão do rapaz e indicava a garagem certa para acomodá-lo. Cafetina perfeccionista, que encarava o sexo como uma ciência geométrica.

Bom, mas como não podemos ser assim tão exatos na vida real, as vezes devemos dar um jeitinho para que uma Scania caiba dentro de um reles puxadinho.

E é nessas horas que dependemos do piso escorregadio da garagem, das colunas flexíveis, do teto retrátil... e aí está a graça da excitação feminina. Acomodar com estilo e graça e fazer com que todos os caminhões se sintam devidamente guardados.
Sexo depende da excitação masculina para acontecer. Óbvio. Mas o sexo BOM depende da feminina, porque ela, sim, faz a diferença.

E os jovens adolescentes não tem a menor idéia disso!!! Como pode? Por quê não ensinam isso na escola, meu Deus?

Aí expliquei com todas as letras:
-Muito rapaz vai ter relação sexual com uma moça e não conseguem. A vagina está seca e fechada. Sabe o que eles fazem? Cospem na mão e molham a vulva da moça para dar uma lubrificada. Outros inventam um sexo oral fajuto e rapidinho só para serem mais elegantes, mas a intenção é a mesma. Cuspir numa vulva feminina é tão agressivo quanto elas amarrarem o seu pinto num palitinho de picolé só para ele ficar duro na marra. Hello!!!! Se a vagina tá seca e porque precisa de mais capricho ou então é melhor desistir e bater papo pelo resto da noite.

E a reação da galera era ótima!

Mas aí, no fim, veio a pergunta crucial de um rapazinho curioso: "E o que deixa uma mulher excitada?"
Outros rapazes tentaram responder: "Carro, moto, dinheiro...", e as meninas, em coro: "Nããããããooo!"
Então eu disse a elas: "Tá, então respondam vocês." e elas deram, também em coro, a melhor resposta de todas:

"Uma boa pegada!"

Resposta abstrata, mas totalmente compreensível.
Por isso, rapazes, caprichem na pegada ou vamos usar nossa garagem para algo mais útil.


Acharam a história do caminhão e da garagem pouco excitante?
Então leiam com atenção o que o rei escreveu sobre o caminhão:


CAMINHONEIRO
(Roberto Carlos)
(...)
Quando chove o limpador desliza
Vai e vem no parabrisa
E bate igual, meu coração
Doido pelo doce do seu beijo
Olho cheio de desejo
Seu retrato no painel
É no acostamento dos seus braços
Que eu desligo meu cansaço
E me abasteço desse mel.

  

Ok, depois dessa vou tomar um leite com mel para dormir melhor.


8 comentários:

  1. Que turma sortuda a sua!
    Admiro o seu talento em achar as melhores fotos pra ilustrar os posts! Encaixe perfeito.

    ResponderExcluir
  2. Sim Silvinha, sou como a cafetina do livro: o encaixe das ilustrações e do texto tem que ser perfeito. Assuntos sérios e densos exigem fotos engraçadinhas e sexys para equilibrar a coisa. Assuntos já apimentados precisam de fotos toscas para não tornar o texto vulgar. Morro de medo de me proibirem de publicar aqui fotos sem autorização para divulgação (todas!!!). Um dia fizeram isso aqui. Não conseguia mais adicionar ao texto nenhuma foto que não fosse autorizada. Quase acabei com o blog naquele dia. Não ia ter mais a menor graça. Mas durou só um dia, ufa.

    ResponderExcluir
  3. Minha filha têm educação sexual na escola, acho ótimo! Pois, nem todo mundo tem pais psicólogos, especialistas com tanta didática para tratar o assunto... Semana passada antes da reunião dos pais, os alunos apresentaram trabalhos sobre meios contraceptivos e AIDS = super esclarecedor! Adorei.

    ResponderExcluir
  4. muito instrutivo o texto, mas não pude deixar de reparar..pqp coitadinho do cara do jeep..kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Amarrar o palitinho foi a m-e-l-h-o-r!!!!!!!! Adoro as fotos do google, mas essa descrição bateu qualquer foto keystone...

    ResponderExcluir
  6. Excelente, se todas as escolas tivessem professores assim as meninas e meninos seriam adultos mais realizados e sem preconceitos, dei aulas de reprodução animal para nivel superior e vc não faz ideia das duvidas dos alunos quanto a reprodução humana ( que procurei esclarecer sempre) parabéns!!
    Ah, a do palitinho é genial...rss

    ResponderExcluir
  7. Por favor esse blog não pode acabar, precisa é ser mais divulgado,sempre, vc é sensacional, entrei aqui por acaso adorei, vc é muito inteligente e fala de um modo ao mesmo tempo irreverente e sério, sem vulgarizar o sexo, quem dera eu quando adolecente tivesse palestras assim, mas sigo correndo atrás do prejuízo... um aprendizado constante, como é maravilhoso e dificil ser mulher

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.