sábado, 28 de maio de 2011

Quebrando ovos... e não fazendo omelete nenhum.

Estou há 2 dias pisando em ovos aqui no blog.
Passei este tempo todo fazendo uma argumentação pessoal (tentando fugir o máximo possível do senso comum) sobre a minha defesa do aborto legalizado. Com um posicionamento psicológico sobre a necessidade egóica de nos sentirmos desejados pelos nossas pais. Blá, blá, blá...
Ficou um post ótimo, cheio de fotos estratégicas. Nada engraçado para não banalizar o assunto, mas também nada sério demais para não torná-lo dramático.
Ao ponto.

Hoje cedo fui postar e... apaguei. De propósito.
Seria uma grande bobagem.
Aborto no Brasil segue a seguinte regra: "Quem quiser fazer (e tiver dinheiro) faz. Quem não quiser, tenha os filhos e arranja a melhor forma de amá-los e sustentá-los".
Ou melhor ainda: "Quem tiver preparo emocional para saber que deixou de conhecer um filho que poderia ter a sua cara, faz. Quem achar que vai ficar para o resto da vida sofrendo por causa disso, não faz."
Finito.

É uma questão de escolha, como tudo na vida. Talvez uma escolha bem mais difícil do que uma pizza do cardápio, mas é apenas mais uma escolha... com prós e contras.
Com drama, com lágrimas, sofrimento, mas também com alívio, liberdade e com chance de recomeço.

Mas não vale a pena ficar esmiuçando o assunto porque nunca irão legalizá-lo. Porque a cada dia tem mais evangélico adentrando os ralos da política, porque um simples manual de conscientização da homofobia já gera um escarcéu sem fim.
64% das mulheres que fazem aborto no Brasil são católicas. 25% evangélicas. E fazem mesmo assim. A religião não impede o desejo de fazer um aborto, mas determina as regras para regê-lo.

Então eu ia ocupar meu rico espacinho do blog para nada.

E além de tudo eu corria o risco de receber um monte de comentários de gente que não concorda e me intimaria para responder questões tolas do tipo: "Você não acha que a vida é sagrada?"

Todos os dias jogo no lixo sementes de frutas que poderiam virar lindas árvores. Meu sogro não. Meu sogro acha que a vida é sagrada. Quando vem nos visitar joga tudo no quintal para dar chance à natureza.
Por causa dele, no meu canteiro de flores existem hoje 18 mangueiras que já atingiram dois palmos de altura.
Não desejo 18 mangueiras aqui em casa. Vão me atrapalhar.
Não sei o que fazer com as minhas mangueiras.

Meu sogro e meu avô são terroristas verdes.
Plantam árvores em todo lugar e prejudicam a vida do povo.

Bom, todos os dias casais que participam de programas de inseminação artificial fertilizam dezenas de embriões. Eles não querem todos. Eles não desejam 14 filhos na casa deles. Vão atrapalhá-los.
Não sabem o que fazer com os seus embriões.

Ninguém pode jogá-los no lixo. Ninguém pode doá-los para pesquisas. Então eles ficam lá, gastando a energia elétrica do freezer.

A ética não acompanha a evolução dos dilemas da medicina.
Isso é óbvio.
Mas o problema é que os pacientes com doenças neuro-degenerativas não podem esperar a ética liberar os benefícios da célula tronco embrionárias. Não podemos fazer um aborto, mas devemos assistir nossos filhos  padecerem de mielopatias tristes, cada dia perdendo um movimento até a morte precoce.

As pesquisas não podem esperar. Tem muita coisa bacana sendo descoberta e precisando ser colocada em prática.

Da mesma forma, a legalização do aborto não pode esperar. Não podemos continuar aumentando a população com crianças muitas vezes não desejadas, não amadas e não cuidadas. Sou a favor do aborto justamente por gostar demais das crianças e querer o melhor para elas. Nascer sem ser desejado aumenta em muito o sofrimento psíquico mundial. E aumenta também os gastos públicos com creches período integral, instituições para crianças abandonadas e com presídios para delinquentes que podiam ser evitados (ui... peguei pesado!).
Ok: 7 em cada 10 presos brasileiros não tem o nome do pai na certidão de nascimento. Concluam vocês a moral da história.

Bom, como diria Cazuza: "O tempo não pára". A vida tem urgência e os acordos nas comissões de ética são demasiadamente democráticos. Cheios de vozes, na maioria das vezes em sentidos contrários.

Mas dane-se a polêmica do aborto!!! Dane-se os ovos!!!
O aborto legalizado não precisa da minha ajuda porque já deu um jeito de fazer "justiça com as próprias mãos". Fazemos vista grossa às clinicas de aborto porque, no fundo no fundo, sabemos que elas são necessárias.

Mas os doentes que precisam de pesquisa não podem roubar os embriões congelados e fazer pesquisa com as próprias mãos. 

Ou seja: Quem precisa do aborto consegue se virar, mas quem precisa de pesquisa médica envolvendo temas polêmicos, não consegue.

Quando me disseram que eu tinha esclerose múltipla contaram que o remédio que eu tomaria poderia retardar a evolução drástica da doença por 20 anos (sim, porque a doença evolui mesmo com medicação).
-E depois? - eu perguntei
-Depois já vai haver células tronco que darão conta do recado. Não se preocupe.

Duvido.
A religião acha que pode interferir no meu futuro. Justo eu, que nem acredito nela!!!!!
BEEEM mais fácil fazer um aborto.
E, por isso, meu post foi para o lixo. Era desnecessário.

E quer saber? Que hipocrisia a minha achar que podemos matar embriões, entretanto, todos deviam se preocupar com a qualidade da minha vida ou dos garotinhos com síndrome de Duchenne.
O que tem a minha vida de tão especial? Só porque foi desejada pelo meu pai e a minha mãe? Só porque eu, depois de adulta, continuo desejando-a?
E desde quando o desejo comanda o mundo? Viramos hedonistas agora???
Bobagem!!!!
Dane-se os ovos, dane-se os óvulos, dane-se as pesquisas. Se a medicina curar a todos, do que vamos morrer afinal?

Hoje foi o meu dia: "cansei de ser divertida".
Hahahah, prometo melhorar no próximo.
Deixo agora a palavra ao meu amigo Obama, que é um pouco mais diplomático que eu:


5 comentários:

  1. Belíssimo blog ! Você tem no Obama um grande aliado.O ideal e que a sociedade se organize numa grande campanha de planejamento familiar para que nunca mais ninguem precise se preocupar com aborto. Enquanto estamos gastando energia com esse debate estamos perdendo a chance de resolver o problema na sua raiz: a educação sexual e acesso a meios anticoncepcionais efetivos. Climene

    ResponderExcluir
  2. lembra que eu te falei que um dia queria fazer uma terapia? entao teria que ser com vc.........Parabens pela sua sinceridade!

    ResponderExcluir
  3. Poxa, poucas vezes vi palavras tão corajosas e sinceras ditas de maneira tão inteligentemente diretas, concordo com voce totalmente!!Defender o aborto ou a utilização de embriões no Brasil é tarefa muito ardua e sempre descamba para o discurso religioso (nada contra a religião mas...) questões com essas deveriam ser abordadas com mais lógica e racionalidade e menos "paixão " que no fundo pode ser traduzida como uma tremenda hiprocrisia pois nenhum problema acaba só por decidirmos ignorá-lo, muitas vidas podem ser salvas sim, espero que num futuro breve! parabéns pela coragem de expor sua visão sua vida é preciosa merece ser longa e feliz!

    ResponderExcluir
  4. Só pra complementar, após postar aqui fui ver o discurso de Obama, simplesmente genial, os quase 5 minutos mais bem aproveitados que já vi num político, sabe tudo!!!!

    ResponderExcluir
  5. eu acredito no conselho do medico: daqui a pouco as celulas tronco vao dar conta do recado. nao se preocupe. principalmente por que preocupacao nunca trouxe beneficios pra ninguem...

    so cabelos brancos. e de cabelos brancos ninguem precisa.

    inaier.blogspot.com

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.