terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A Insustentável Leveza do Ser

"You got to see the baby!". Quem é iniciado na cultura televisiva sabe que Seinfeld não suporta pessoas insistindo para que ele visite recém nascidos. Eu também ouvi insistentemente pessoas me dizendo para ter um blog. Começou devagar, mas se intensificou nos últimos meses. Mas eu, ao contrário do lendário personagem do tênis branco, gostei da insistência, gostei do desafio. Fui deliciosamente vencida pelo cansaço. Já que é para o bem de todos, e alegria geral da nação, diga ao povo que o blog tá feito.

Mas, peraí, um blog? Não sou especialista em nada! "Claudia, você é boa em quê?", perguntou certo dia um amigo. Pensei, pensei. Putz, em nada! Sou rasa como uma poça depois da chuva. Como ter um blog sobre nada? E... para quê?

Mas... voilá! Seinfeld, a mais famosa série de TV americana se gabava de ser sobre "o nada". Posso então fazer um blog sobre nada. Tratar tudo superficialmente. Caminhar sobre as coisas sem aprofundamento, sem mergulhar intensamente em um assunto particular. Nunca fui "fã" de alguém, nunca tive um ídolo. Ontem pessoas choraram pelo Ronaldo Fenômeno que (literalmente) pendurou as chuteiras. Não me lembro de ter chorado por ninguém que não seja, claro, íntimo. Não idolatro nada a ponto de querer mergulhar fundo em seu estudo. As profundezas me sufocam, me limitam a visão do todo. Uma claustrofobia cognitiva. Ou talvez uma desculpa para ser rasa e sem conteúdo, haha.

Por outro lado, fluir livremente no ar, recolhendo teoremas e se expondo aos ventos do momento é demasiadamente inseguro pra mim. "Viajar na maionese" é estressante e aborrecido.

Portanto, quero caminhar sobre a superfície, linda e sutilmente. E tá aí a razão do nome do blog: Basiliscus, um lagartinho que tem o dom de caminhar sobre a água. Vocês já viram? É realmente surreal.

Tá bom, eu sei, eu poderia ter um blog chamado "Jesus Cristo" que também foi elegante no seu desfile sobre as águas. Mas além de parecer demasiadamente pretensioso, imagina em qual página eu estaria na busca do Google quando alguém procurasse meu blog pelo nome? Não, não, Jesus não ficaria bem e a concorrência seria desleal.

E por quê Brasiliscus, com um R? Ah! Porque, por incrível que pareça, o nome já estava reservado por algum doido (Quem pensa a mesma coisa que eu? Quantas pessoas já pensaram nisso no mundo? ...dúvidas Amélie Poulain!) e com o R dá um tom de brasilidade que fecha com chave de ouro essa história maluca.

9 comentários:

  1. Oba!
    Clau, você pode falar quanto, quando e sobre o que quiser. É essa a graça de ter um blog :)
    E eu vou aproveitar pra ler tudinho, porque adoro saber a sua opinião sobre coisas profundas como uma poça d'água depois da chuva ou sobre lembranças da infância. A graça, pra mim, é chegar um cadinho mais perto de você!
    Beijo e parabéns pelo novo blog!

    ResponderExcluir
  2. Pra começar você escreve brasileiriscamente profunda, boa nas palavras com um humor inteligente. Parabéns a quem te encorajou, acompanharei sempre que puder.

    ResponderExcluir
  3. Amei a novidade. Confesso que fiz torcida para que isso acontecesse... E fiquei muito feliz! Já adorei seu primeiro post e o visual do blog. Bjos e saudades. Mari

    ResponderExcluir
  4. Olha, não prometo frequentar pq eu nunca consigo me manter em alguma coisa da net por muito tempo, mas adorei o título e o post sobre o título. Entretanto, não entendi a autointitulação de superficial... Taí uma coisa que nunca pensei sobre vc. Boa sorte e prometo tentar ser um leitor e comentador assíduo! Bjs Joab

    ResponderExcluir
  5. Joab, não tenho a menor idéia de quem você é, mas se vc diz que eu não sou superficial é porque deve realmente me conhecer, hehe. Obrigada pelo elogio e vou esperar com alegria seus comentários assíduos. Clau

    ResponderExcluir
  6. Claudinha, feliz e orgulhosa pelo blog. Vai virar FEBRE entre descolados, qué apostar??? rsrsrs Eu amei tudo. cada letra. O nome é fodástico. Te seguindo! e vou linkar no meu.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Nunca te achei superficial.Nem quando era uma menina de 18 anos. Uma vez, em uma dinâmica de grupo organizada pela Pat baiana, cada um de nós deveria tirar um nome e escrever (ou desenhar) a primeira coisa que viesse à mente, lembra? Nós nos conhecíamos pouco, mas vc tirou meu nome. E fez um desenho de duas irmãs siamesas, uma com uma espada, e outra com uma flor, a força e a delicadeza. Guardo o desenho até hoje. Sempre gostei muito de você. Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Conheço um Joab, será que é o mesmo? Pode ter sido efeito da minha "propaganda" no Facebook...

    Mais uma coisinha... Concordo com e Let´s sobre sua não superficialidade e achei linda a lembrança dela sobre vc... Penso que em vez de superficialidade, vc tem uma grande habilidade de tratar temas sérios, profundos e até pesados com leveza e beleza... Algo que precisamos muito em nossas vidas. Bjos...

    ResponderExcluir
  9. Fofíssima, adorei!
    E se, como dizem, o mais profundo é a pele ou, ainda, o inconsciente está na superfície, melhor caminho para andar não há!
    Ademais, o pior é a ignorância crassa, que tem a ver com preguiça, que nada tem a ver com tua arguta percepção das coisas.
    Desta forma, o mundo é brindado com mais uma pérola, teu blog.
    (o chato dos blogs é ter paciência para ir escrevendo sempre. Pra isso, sou um preguiçoso da porra. Boa Sorte!)
    Eber

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.