segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Holly Hobbies!


Quem achou que eu ia falar aqui sobre a musa dos papéis de carta dos "early 80`s", errou! Sorry.
(mas há uma dúvida que me persegue: por que a Holly Hobbie nunca mostra o rosto? Será filha do Michael Jackson? Será uma mini delinquente fugindo do conselho tutelar? Será que tem vergonha do nariz torto?)

Estou aqui para falar dos hobbies, que para mim também são "Holly", isto é, sagrados. Sim, hobby: aquilo que você faz quando quer ser apenas feliz. Ou melhor, aquilo que você faz quando consegue terminar o trabalho e fugir da tentação de ligar a TV e a net. Melhor ainda: o que você tem vontade de fazer quando já terminou de lavar a louça e as crianças te dão algumas horas livres.

E é aí que eu quero chegar: dedicar-se a um hobby está cada dia mais difícil nos dias atuais. E no Brasil eles são ainda mais raros. Não existe a tradição do hobby por aqui, tanto que nem existe uma tradução do termo para a nossa língua. Culpa de muita coisa (falta de inverno que deixa as pessoas mais dentro de casa, falta de boas bibliotecas acessíveis, poucas tradições de bricolagem, falta de acesso às matérias primas bacanas), mas os hobbies são tão legais e tão fundamentais para uma vida emocional saudável que precisavam ser resgatados pelas pessoas que buscam qualidade de vida e querem uma garantia de felicidade. Tá confuso? Já explico.

Sabe qual é a melhor receita de felicidade que eu já ouvi? Amar muitas coisas! Gozar dos prazeres proporcionados por várias fontes, as importantes e as fúteis. Por quê? Porque quando uma delas falta a gente tem todas as outras para completar a vida. Simples assim.

Isso é uma lição de vida fundamental que devia ser ensinada no berço. Se você se aposenta, tem outras atividades bacanas para ocupar o tempo. Se seu parceiro morre, você preenche a vida com a companhia de outros prazeres. Se algo na sua vida não vai bem, existe um repertório grande de coisas para te dar alegria.

Eu tenho muitos hobbies e dou chiliques de felicidade quando consigo reservar um tempo só para eles.

Uma amiga, ocupada com seu trabalho estressante em NY, me escreveu esta semana falando do alívio que tem sentido ao sentar na máquina de costura e se dedicar horas apenas a um blazer de lã. Sim, por incrível que pareça algumas pessoas ainda costuram por prazer, mesmo em NY onde a oferta de blazers é abundante. Tem sido uma terapia para ela. Outra amiga, depois que perdeu o marido e os filhos cresceram, decidiu se dedicar com afinco à dança. Leva à sério. Enfreta a noite perigosa de uma grande cidade para ir aos bailes organizados por amantes da dança, de segunda à sabado! Tudo nela melhorou, principalemnte sua alegria de viver. Ela é minha grande inspiração.

Estou lendo um livro, romenceado, sobre a esposa de Freud. Aos 85 anos ela ganhou um quebra-cabeça de 3 mil peças. Depois do desespero inicial por não conseguir se organizar com as peças, ela começou a perceber as vantagens em se dedicar a um hobby. Aqui vai o trecho:

"Os ingleses devem conhecer bem o que é o tédio para terem inventado um jogo tão perfeito, que trata tão maravilhosamente este mal. Quando entro no meu quarto e vejo o quebra-cabeça sobre a mesa, com seu espaço vazio a preencher, sinto-me segura. Sei que tenho algo a fazer. Sei que posso recorrer a ele em caso de necessidade. (...) Paula me chama: Tea time! Vou descer, estou de bom humor, sem saber muito bem por quê." (Madame Freud, Nicolle Rosen, p. 20)

  Se Freud tivesse dado ouvidos à sua esposa, a psicanálise provavelmente teria menos lacunas.

3 comentários:

  1. Pois é Claudinha, lembro-me qdo adolescente, me dedicava com afinco e alegria de aulas de artes, atresanato e pintura, isto realmente se perdeu, nos dias de hoje nós deixamos de lado as coisas que nos fazem felizes, por conta do tempo corrido que não sabemos administrar. A vida era mais saudável, temos na verdade que nos condicionar a preencher nosso precioso tempo com esses hobbys. Eu estou me organizando e até organizando um espaço na minha casa para começar a produzir um pouco de arte para descansar a mente , para me fazer feliz! Adorei seu Blog!! É um incentivo para todas pessoas que deixaram de lado e esqueceram que existem tantos prazeres nesta vida

    ResponderExcluir
  2. Lindica da titia, pois é nessa fase que estou. Recuperando meu amor pelas coisas (assim a gente recupera o amor por si mesma/o).
    Gostei da postagem e estou intrigada com tuas fontes de imagens...onde é que vc arranja tanta coisa bacana? Esse quebracabeça ficou demais!!!
    Beijos, amore, go ahead!
    ps. "por quê?" - antes dos pontos todos leva acento cirunflexo.

    ResponderExcluir
  3. Que tal pensar que tudo o que agente faz o tempo todo e hoby?Cuidar de criança, quer hoby mais gostoso?Fazer comida, limpar casa,atender pacientes, cuidar do marido...Assim a vida fica prazeirosa o tempo inteiro .Um beijo Estou com saudade .Climene

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.