segunda-feira, 20 de junho de 2011

Decadence ou deca...dance???

Inferno astral.
Esta semana farei aniversário e o pior está acontecendo comigo. Não me sinto com a idade que eu tenho.

Não, não corro o risco de virar aquelas coroas ridículas de mini saia e botox na testa. Para chegar neste ponto eu precisava ter atingido algumas etapas óbvias no processo de peruísse como: pintar o cabelo e... fazer as unhas.
No mínimo.
E não faço nada disso. Meu gasto mensal no salão é 30 reais que, na minha cidade, consiste no kit depilação "barba, cabelo e bigode". Básico.
Aos 37 anos meus cabelos brancos estão com preguiça de dar as caras. Deixarei as tintas para a festa de boas vindas no dia em que eles chegarem.

Não corro o risco de ficar ridícula por fora, mas tenho medo de ser ridícula por dentro.

Exemplo? Sapateio o dia inteiro. Sapateado flamenco. E ainda fico marcando o tempo com palmas e canto: "Taca-um-ca-taca-um-ca-tá-um-ca-um-ca-tá-um-ca-um-ca-tá."
E canto mesmo. Baixinho, mas o tempo todo.
Qualquer sapato que eu coloque que tenha um mínimo de salto já me faz começar a sapatear logo no corredor de casa. Aí é o dia todo deixando meu marido com vergonha: "Pára Claudia. Imagina o que o povo deve estar pensando vendo você, uma mulher (ele não completa com a palavra 'madura', mas pensa) batendo o pé desse jeito."
Por ele eu andava de tênis e Havaianas todos os dias para não correr o risco de pagar mico.

Para pessoas assim, cito meu amigo:
"Quem não ouve a melodia acha maluco quem dança... "
(Oswaldo Montenegro)
Hahaha, quando me interessa, acho Oswaldo Montenegro o máximo!!!



E danço flamenco no supermercado, na locadora enquanto escolho o filme, na fila do banco e sempre ao lavar a louça. Não consigo me controlar. Meus dedinhos giram e os braços se abrem como asas, involuntariamente.
É mais forte do que eu.
Já sapateei alto e escandalosamente na Torre Eiffel. O elevador estava quebrado e eu, com minhas botas de salto, fui me meter a besta de subir as escadas de ferro.
Pléc, pléc, pléc.
Não resisti. A acústica é incrível e o barulho, altíssimo. Taca-ta-taca-ta-taca-tatá.
Olé!!!!

Eu sei, ridículo.

Por isso tenho medo. Medo de me esquecer que não posso mais sapatear em público, que não posso mais galopar e virar uma estrela sem mais nem menos, que não posso mais falar de igual para igual com adolescentes e nem devo me demorar nas papelarias admirando os cadernos e estojos da Moranguinho... pena.
Programa de Shopping? Corredor das Barbies nas lojas de brinquedos. Adoro! E tive um azar danado por não ter filhas para ter a desculpa de comprá-las.

Mas é que nada mudou.
Nada!!
Contino igual e meu corpo ainda pede movimentos infantis. Meus olhos ainda precisam de cor de rosa e lilás. Meus ouvidos ainda se emocionam com musiquinhas românticas. E o pior: meu paladar ainda exige brigadeiros e afins.
Não sou adulta. Não tomo nem vinho, nem chá.
Saio para almoçar com as amigas e me sinto a amiguinha teen pedindo guaraná, brownie e lasanha, enquanto elas comem saladinhas, frutas e arrematam com um café.
Não bebo café.
Sou do time do Nescau com tostex.

Bom, resumindo sou como aqueles velhos que dizem que não se sentem velhos. Ouvi isso a vida inteira, mas nunca acreditei que pudesse ser verdade.
Mas é.
E eu não estou achando muita graça disso. Passo o dia todo me controlando para não ser patética e envergonhar meus filhos por terem uma mamãe que se esqueceu de ser adulta.
Como pude me esquecer disso? Como?
Tadinhos...
Triste demais.


SAPATINHO DE CRIANÇA

No seu pequeno sapatinho
Ela dança como se fosse
Uma criança.
Uma criança já crescida
Que não se cansa de dançar
Sem parar.

Criança já não é mais
Se fosse eu estaria a dançar
Junto a ela
Sem parar.

(Priscilla Machado Dziúba)



Bom, pelo menos eu decadanço avec elegance...menos mal.
Pior seria se eu ainda dançasse lambada.

4 comentários:

  1. O corpo até pode envelhecer e mostrar os inevitáveis sinais do tempo...mas depende apenas de nós mantermos nosso espírito sempre jovem, sapateando nos lugares, comendo lazanha, brigadeiro, gostando de cor de rosa, lilás e ouvindo músicas românticas. Essa é a arte do saber envelhecer e ser feliz sempre!!!Parabéns pelo seu aniversário e sinta-se cada vez mais feliz sapateando pela vida.

    ResponderExcluir
  2. Liga não prima. Eu, nos meus quarentinha, também adoro a Barbie, meu MP3 é rosa e fico toda arrepiada assistindo Orgulho e Preconceito. Continue sapateando. Não é ridículo não!! Andrea

    ResponderExcluir
  3. Flamenco é uma dança linda e eu adoro. Combina com você, que é linda e eu adoro :)

    ResponderExcluir
  4. Querida:esse fenômeno e hereditário.Sua velha mãe ainda adora subir em arvores e brincar de esconde esconde com os netinhos.O Milton Nascimento canta uma música que ilustraria muito bem essa cronica:Bola de Meia ( há um menino, há um multais , morando sempre no meu coração .Toda vez que o adulto tem medo ele vem pra me dar a mão...) Você será sempre nossa eterna querida menininha . Climene

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.