segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Hello=IN , Saci-OUT

A polêmica do dia de hoje é a disputa pela atenção das crianças.
De um lado o Halloween, traduzido aqui como "Dia das Bruxas" e comemorado apenas entre as crianças mais ricas e/ou cujos pais tenham conhecimento acerca da famosa festa da gringolândia. Do outro lado do ringue, o inusitado Dia do Saci, curiosamente comemorado no mesmo dia devido a uma incrível coincidência.

E aí? Qual é a preferência da garotada? Conde Drácula ou Saci?
O Vampiro, claro!
E a derrota do Saci pode ser encarada de vários ângulos. Tudo pode ser interpretado de uma forma maluca quando se tem um pouco de criatividade e paranóia.
Ela pode ser transformada numa briga de classes (um moleque que mora num bambú contra um conde que mora num castelo), uma questão puramente racial (o muito branco contra o muito preto) ou ainda pode ser reduzida aos dois grupos extremistas e chatos onde um diz que tudo que vem vem de fora é legal e o outro (ainda mais chato) tenta valorizar a qualquer custo a cultura local.

Levando em conta que Jung um dia me fez acreditar no inconsciente coletivo como uma verdade incontestável, digo aqui que não existe nacionalidade para uma lenda. Frankenstein, Boi Tatá, Bicho Papão, Monstro do Lago Ness, tudo está jogado no mundo para ser vivenciado da melhor (ou pior) maneira possível por todas as criancinhas do mundo.
É um presente do universo simbólico para qualquer mente fértil e medrosa.
Ok? Entenderam? Não existe isso de autoria de monstros e lendas. O que existe, na minha opinião, é o sucesso que a coisa faz  na cabeça do público.

Aí entramos em um outro assunto: a Disney modifica e censura algumas importantes passagens das histórias clássicas que ela tão lindamente adapta para os seus filmes. E, por ser americana e rica, sempre foi recriminada por isso. Pobre Disney.
Uma tentativa estilosa de tornar o
Saci um pouco menos babaca.
Mas vale lembrar que Monteiro Lobato e o diretor Geraldo Casé também fizeram isso com o nosso amigo Saci Pererê no Sítio do Pica-Pau Amarelo, tirando dele toda a insanidade da sua personalidade borderline.
O Saci do Sítio é insosso e pouco atrevido. A única coisa legal nele era a estranha amizade com a Cuca. Emília, sim, era bacana demais!!! Ultra inteligente, pernóstica, metida e maldosa na medida certa.
E Ziraldo, prá piorar, acabou e vez com imagem do menino fazendo a péssima Turma do Pererê.
Saindo do folclore e voltando aos monstros europeus, Maurício de Souza também faz um desserviço ao medo desmistificando a coisa com a turminha do Penadinho (que eu particularmente odeio), deixando todos fofos e engraçadinhos.





Bom, a tentativa de amortecer a tragédia para que as crianças façam uma leitura mais amena do submundo da vida é compreensível. Uma tentativa amorosa (embora frustrada) de poupar nossos filhos do drama.
Nada de errado com isso.
Mas desta forma, o Sítio do Pica-Pau Amarelo deixou na minha mente infante uma idéia equivocada do Saci Pererê que, definitivamente, nunca instigará em mim sentimentos fortes e passionais.
Quer um trabalho bom que leva o Saci a sério? Histórias do Saci Pererê da Coleção Disquinho!!! MORRIA de medo do Saci e da história. link aqui


Coleção Disquinho: uma forma inteligente de juntar numa mesma história (engraçada e assustadora)
o Saci, Bruxas e Fantasmas.
Coleção Disquinho: pioneira no processo de inclusão de monstros e lendas.
Muito bom mesmo!
Tirando isso: Saci sucks. Uma festa para ele seria um fiasco.

Há algum tempo li sobre um clube de futebol xinfrim que tinha o Saci como mascote. Não achei o link da história, mas a questão é que o diretor do clube sugeriu que tirassem o negrinho do posto porque, segundo ele, um deficiente físico, fumante (ele não falou negro, mas deve ter pensado) não passa a imagem de um atleta de sucesso.
 
Este não é um atleta de sucesso.

Ai, ai, é incrível como existe gente que consegue dar foras homéricos em uma única frase.
E ainda tem um povo babaca que diz que o cachimbo do Saci remete ao crack e dá um exemplo ruim para as crianças. Bah...

Eu poderia brincar aqui pedindo para que o Halloween se torne então uma festa inclusivsa, exigindo que haja cotas para todas as minorias discriminadas: negros, deficientes físicos, fumantes e sem-teto. Saci teria grandes chances de entrar na brincadeira já que preenche muitos requisitos.
Se ele fosse gay, então, a coisa estaria garantida, hahaha.
.............
Bom, pensando bem, talvez ele seja.

Mas estas piadas são bobas e sem graça.

A verdade é que o Saci não tem apelo simbólico para as crianças, e bom é aquilo que a gente gosta.
Ponto final.
O Saci não tem um figurino atraente (aliás, não tem figuirino nenhum), não tem nada de assustador ou heróico e, prá piorar a coisa, ter que caminhar como ele dá um trabalho danado.
Já sei! Quer fazer um dia do Saci?? Obrigue as crianças a andarem com uma única perna por 24 hs, subindo escadas, andando de ônibus e frequentando a escola regular. Isso sim é um dia de Saci útil e inesquecível!

Mas não venham me convencer de que o moleque merece algo além do pouco que ele propõe. E não é por ele ser pobre, nem negro, nem fumante, nem deficiente e muito menos brasileiro.
Escrava Anastácia era quase tão igual a ele e já me tirou o sono por mil noites. Entre ela e as bruxas, fantasmas e vampiros, pode ter certeza que a pequena Anastácia amordaçada mexeu muito mais com os meus medos inconscientes.


E, além de tudo, desmerecer o reinado de Conde Drácula é ignorar a soberania absoluta do mal.

Não sejamos inocentes...







5 comentários:

  1. Que texto fabuloso!!Um primor! Dá até vergonha por ter lido de graça. Onde deposito?

    ResponderExcluir
  2. Concordo, cada dia melhor. Queria poder pagar. Como?

    ResponderExcluir
  3. Querida minha, mais uma vez sou eu a fazer o papel de advogada do diabo(aliás, imagino que lestes minha pequena discussão com teu ex-, no FB).
    Não concordo com você quando fala sobre uma festa do Saci ser um fiasco. Como escrevi lá, ela será um fiasco proporcional àquilo que for apresentado as nossas crianças, e de que maneira isso for feito. Ou você crê que bruxas e vampiros são tão interessantes por quê? Qual a marketing que há em torno de um e dos outros personagens?
    Além disso, e repito que não sou do time chato dos nacionalistas, por que sempre deixar nossa cultura de lado quando todos os demais (espertos) valorizam a sua? Veja, não se trata de discriminar uma ou outra, porque acho que elas podem muito bem coexistir. Trata-se, antes, de dar voz a ambas, para que as próprias crianças possam escolher, livremente, o que desejam festejar - mas, para escolher, precisam ter em mãos matéria para isso. E é esta exatamente a minha crítica: a matéria dada e estimulada por nossa sociedade letrada é a do outro, mesmo que todas as lendas e histórias do universo infantil perpassem nosso imaginário coletivo. Se é assim,pois que sejam realmente TODAS!

    Beijos com amor!
    O que vale é levantar a polêmica, sempre, mi rubia.

    ResponderExcluir
  4. ps. Só para dar um exemplo real e sairmos um tanto da discussão retórica: na escola do meu filhote foi proposto um estudo das lendas brasileiras, seguido de algumas brincadeiras. A caça ao Saci foi sucesso absoluto de público e a preferida entre todas as idades.

    ResponderExcluir
  5. Caça ao Saci?
    Tia, cadê as arma?
    Só pegá os neguinho?

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.