sexta-feira, 16 de março de 2012

Superego

-Sabe doutor, sinto que eu sempre carreguei os
meus pais adotivos nas costas...
                                                                                                     

                                                                                                              Metrópolis, 16 de março de 2012.

Ilmo Sr. Quentin JeromeTarantino,

Como vai? Espero que bem e sempre criativo.

Já fazem alguns anos que eu penso em lhe escrever. Assisti a "Kill Bill 2" e fiquei honrado com a menção à minha pessoa ao final do filme. Estava sentado no escuro do cinema e, quando ouvi tudo aquilo, achei muito, muito bacana  Foi mesmo uma linda surpresa.

-Estranho, achei que no seu planeta
os morcegos voassem... hehe.
Aquela história da minha essência ser extraordinária e a minha fantasia, na verdade, é de ser uma pessoa mundana (ao contrário do Homem Aranha e Bataman) me deixou envaidecido. Sempre soube disso, claro, mas gostaria que alguém tornasse pública a diferença gritante entre eu e o os pseudo-heróis que hoje, infelizmente, vendem mais lancheiras do que eu. São sempre homens em crise que se defendem do sofrimento psíquico com uma fantasia narcísica de superpoderes. Bah... a Marvel deveria se envergonhar disso.

Confesso que aquele disurso do Bill foi uma das melhores homenagens que recebi na vida. Seinfeld me ama, eu sei, mas não tem muita profundidade para fugir do óbvio: "Ele é super, é especial!" etc e tal.
Você não, você falou bonito e foi muito perspicaz ao descrever a minha tentativa de ser normal ao abafar a todo custo o meu brilho natural. Na época eu me senti compreendido por você e fiquei muito feliz.
Mas, desde então, muita coisa mudou.

A verdade é uma só: não quero mais ser super. Hoje tenho uma missão, preciso pendurar as botas vermelhas, pôr o "pega-rapaz" de molho. Não que eu tenha me tornado uma pessoa ruim ou ficado indiferente ao sofrimento alheio. Nada disso. Lembre-se que sou super bom e super solidário, afinal, eu também nasci para ser o superbacana.

Mas é que daqui prá frente preciso deixar de ser tão especial. Eu devo. Louis Lane me cobra. Minha "Double L" quer um homem de verdade, não um... superhomem.
-Hummm, você está cheiroso, Superman.
-Sim, su sou cheiroso O TEMPO TODO!!!!!  Buááá´!

Prá começar ela exige que eu vista a cueca do jeito certo. Minha particularidade, tão curiosa e tão imitada pelos outros heróis não tem o menor charme para a minha própria esposa. Para ela, usar a cueca para fora da calça não me torna excêntrico, e sim... cafona. Ela também quer que eu me liberte da roupa justa e sempre limpa que me acompanha todos os dias por baixo do terno. Não consigo ficar nú diante da minha mulher. Não consigo me mostrar, ser natural, você tem idéia do que é isso????

Minha esposa diz que quer ter uma vida normal ao meu lado e eu acredito que ela tem este direito. Na terapia de casal ela falou que desejaria jogar na minha cara que eu não sirvo nem para abrir um vidro de palmito. Ela gostaria de reclamar que estou com o dente sujo ou que meu ronco não a deixa dormir. O problema é que nada disso acontece e ela sempre se sente diminuida ao meu lado. Louis sempre se olha no espelho e reclama que está engordando enquanto eu, eu continuo... lindo. Ela diz que quer estar por cima alguma vez na vida (não sexualmente falando, claro), já que eu nunca dei chance dela me recriminar por nada. Prá você ver: nem a gostosa da Mulher Maravilha eu pego!!!


-Solte o meu cabelo a la garconne, "Double M".
Bom, até então tudo parecia simples. Abrir mão da perfeição me soava como uma imensa declaração de amor à minha amada. Apesar da tristeza em abandonar o meu brilho reluzente e meu heroismo folclórico, eu estava me sentindo tranquilo e até entusiasmado com a idéia de ser normal. Iria definitivamente ser apenas o bom e velho Mr. Kent e tocar a vida daquela forma estabanada e meiga.

Já tinha até mandado avisar ao Gilberto e seus seguidores que eu nunca mais restituiria a glória de ninguém e nem mudaria, como um deus, o curso de história alguma. Ia contar ao Gil que eu também mudei, ironicamente, por causa da... mulher! A minha mulher!!

-Você levanta a pata para fazer... xixi??? Que inveja.
Você não tem idéia do malabarismo que eu preciso fazer. 
Mas o pior, obviamente, aconteceu. A minha verdade não sai de mim, e isso tem me deixado deprimido e angustiado.
Me sinto como aqueles adolescentes que se auto mutilam com giletes e facas. Quero rasgar a minha pele para encontrar nas minhas profundezas um outro EU. E queria, sinceramente, que este outro EU tivesse menos encanto.





Quero gozar do prazer de ter uma vida medíocre. Quero ser feliz com pouco. Preciso descobrir o conforto da incompletude. E queria que você soubesse, Quentim, que o excesso de potenciais causa muito sofrimento. Tome cuidado, amigo talentoso e especial.

Por exemplo, descobri outro dia que a minha essência me intoxica. Criptonita (a única substância conterrânea à qual eu já tive acesso) me intoxica, como se as minhas origens me fizessem mal. Por isso eu precisava me libertar de mim mesmo. Deixar de ser assim tão...super, porque disso depende o meu casamento.
Mas o problema é que não consigo!!!
Não consigo justamente por ter muita coisa poderosa e forte pulsando dentro de mim. Sou demasiadamente especial e lamento profundamente ter que honrar cada capacidade que mamãe e papai me deram antes de me lancarem no universo como um reles Moisés.
E por isso tenho medo de nunca conseguir conciliar a minha real identidade com a necessidade de ser mundano.

Sei que isso parece ridículo: "Pobre menino rico, poderoso, lindo e perfeito!!". Sei, sei... tenho consciência de que muita gente gostaria de estar no meu lugar por pelo menos um dia, e é justamente por isso não saio reclamando da minha vida por aí. Soaria arrogante e infantil. Estou dizendo apenas para você porque, naquele filme, senti que você me conhecia e que seria o único a me entender.

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta. A Louis Lane manda um beijo para os seus. Um beijo na família, na Sofia e nas crianças. O Luthor aproveita pra também mandar lembranças
A todo o pessoal,
Adeus

                                                                                                                Ass:  Superman

4 comentários:

  1. Genial! Gostei da mençao aa Sofia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim!!!! A tecla SAP diria: Sofia=Sofia Coppola amiga e ex namorada do Tarantino), e o parágrafo final todo é o trecho da música "Meu Caro Amigo" do Chico. Boa, anônimo! Vc é do meu planeta!!

      Excluir
  2. Pode deixar que a musica do Chico Buarque, apesar de alienigena no meu universo, tambe'm e' conhecida!

    ResponderExcluir
  3. Por favor, Super Homem, não se va. Nunca nos abandone. Nossa vida e tão banal sem voce por aqui...voce nos salva do tédio. Sua missão na Terra é de extrema importância. Sua esposa tem que compreender que se casou com uma pessoa especial que precisa de espaço para exercer seu potencial heróico. Ela se apaixonou por voce justamente por que você é especial !

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.