segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

O melhor dos dois mundos





Séverine Serizy era rica, bonita, bem casada e não precisava trabalhar. Mas não era feliz e tinha sérios problemas com a sua libido ao lado do marido. Para fugir do tédio decidiu passar as tardes no bordel de Madame Anais e, desta forma, redescobriu-se como mulher. Passou a ter uma vida dupla. Durante o dia é um senhora de sociedade com um cabelo impecável e à tarde vira uma prostituta despenteada com uma verve sado-masoquista. Ninguém nunca descobriu o seu segredo e ela agora vive feliz deste jeito.

Miley Ray Stewart é uma garota órfã de mãe que tem medo de aranhas e de dentista. Frequentava a escola, tinha amigos e era uma menina bastante comum. Mas não era feliz. Aos 13 anos Miley ganhou uma guitarra do pai e se tornou, Hannah Montana, uma estrela do rock. Sua auto estima melhorou e poucas pessoas conhecem o seu segredo. Passou a ter uma vida dupla: uma adolescente normal de dia e uma celebridade à noite. E ela agora vive feliz deste jeito.

Hahahaha, Hannah Montana é a versão teen da Belle de Jour. A primeira vira uma mega celebridade depois da escola enquanto a outra decidiu ser prostituta nas horas vagas. Algumas diferenças, é verdade, mas as duas loiras falam do desejo íntimo de todos nós: se dar ao direito de ser alguém diferente.
E se completar com o melhor dos dois mundos.


Sim, apenas o melhor!! Porque Séverine continua usando Channel no dia-a dia de uma madame francesa e, na prostituição, não precisa do dinheiro para sobreviver. Faz isso apenas por prazer. Ela não convive com o lado negro da prostituição. Só o fetichista.

"Don't take out your handkerchiefs,
I don't wanna cry, I just wanna hanky panky guy."
(Madonna)

E Miley também só usufrui o lado bom das coisas. Não sofre o drama de ser uma celebridade perseguida por paparazzi porque sua identidade secreta permite que ela continue acampando com os amigos nas férias escolares. Mas quando fica entendiada da rotina imbecil de uma adolescente, dá uma escapadinha aqui e alí para alguns mega shows pirotécnicos.
Vidinha perfeita, não?

E sabem o que me deixa entusiasmada nas duas histórias? O segredo. Não deve ser tão bacana ser uma estrela e muito menos uma prostituta, mas o fato da coisa ser um segredo torna tudo mais interessante. A adrenalina do segredo atrai e eu acredito ser justamente este o motivo das duas histórias fazerem tanto sucesso junto aos seus respectivos públicos. Porque o segredo é transgressor por natureza e, sendo assim, permite que você deite e role no personagem que criou para si. Só na privacidade da vida secreta a gente pode ousar porque, né, já que temos um "caixa dois", vamos investir de acordo!!!

Mas a minha dúvida é: qual é a personalidade principal das duas loiras acima?  Será que são uma celebridade e uma prostituta brincando de serem normais? Ou vice versa? Quais serão as reais identidades de Séverine e Miley???

E todos nós temos, em uma escala menor, uma dupla personalidade, um alter ego que torna a nossa existência menos monótona. Uma moça urbana gosta de passar os finais de semana no sítio e tem um prazer sádico e primitivo ao matar e limpar um frango. Isso a consola com uma pseudo identidade secreta de uma mulher selvagem!  Uma mãe de família aproveita que os filhos estão na escola de tarde e entra sozinha num cinema europeu para fingir que é solteira, livre e intelectual. Um homem amoroso pode querer ser um pouco violento e experimentar uma personalidade mais rude. Para isso, chega em casa e toma um whisky on the rocks, mal humorado e azedo, fingindo que é o José Mayer numa novela do Maneco, hahaha (estou rindo porque acabei de falar isso com uma amiga).

Mas quais serão as reais personalidades deste povo???

Para pensar melhor sobre isso, recorro agora à terceira loira do nosso texto de hoje: A Noiva!!

Kill Bill é assim: ou você ama ou odeia, e eu sou do time que adora o filme onde a Noiva (Uma Thurman) sai pelo mundo para se vingar de Bill. No final do segundo episódio, Bill declama um longo e interessante monólogo sobre a real identidade dos heróis.
Lá vai:
Batman e Homem Aranha eram pessoas normais que se tornaram heróis por razões diferentes, mas não são super heróis por natureza. Precisam colocar uma roupa para se tornarem heróis. Na maioria do tempo são pessoas mundanas, soterrados de complexos e traumas. Peter Parker e Bruce Wayne são as reais identidades destes heróis, já que ambos precisam primeiro colocar um uniforme para, só depois, poderem salvar o mundo.
O Super Homem não!!! Sua natureza é extraordinária e ele finge ser normal. Ele acorda de manhã e... já é o Super Homem! Clark Kent é apenas um personagem que ele criou para si. O óculos, o terno, a pasta de trabalho... esta é a fantasia!!  É o oposto do drama vivido pelos heróis secundários. Super Homem precisa é tirar a fantasia de homem normal para salvar o mundo!!
No final Bill tenta convencer a loira que ela é uma matadora por natureza que apenas finge ser uma pessoa boa e civilizada. Tal qual o Super Homem, ela precisa se fantasiar de uma pessoa normal para conseguir viver num mundo medíocre.
E ela então o mata, bang!

Adoro esse exercicio de imaginar qual é a sua real identidade. Você é o que você vive ou você, na verdade, é o que deseja secretamente ser?? Qual é a verdade da sua essência e qual é o personagem criado para disfarçar os seus desejos? Qual é a faceta que o seu segredo encobre?
Uhhhh, pergunta profunda essa, hein?

Ok, ok, eu sei que existem minúcias nas personalidades e seria muito sem graça se alguém entrasse neste assunto dizendo algo mundano como: "Você não acha que temos várias facetas que não necessariamente se excluem, Claudinha?"
Blá, blá, blá... não quero ouvir falar disso! Quero passar o meu feriado imaginando as reais identidades das pessoas. Dá licença?
Hoje meu desejo é apenas olhar para os outros e pensar: será que ele é assim mesmo ou está apenas vivendo um personagem?  Será que ele é um caipira tentando ser urbano e respeitável? Será que ela é uma mulher de malandro nas horas vagas??

Afinal, é Carnaval! E as fantasias estão por aí...
Mas veja bem: seja qual for a identidade escolhida, siga o conselho de Hannah Montana e viva apenas o melhor dos dois mundos, ok?
Essa coisa de ter problemas com a fantasia é tãããão vergonhoso e humilhante!!!


Se tiverem tempo dêem uma olhada no tal monólogo porque vale a pena. Adoro quando ele dá uma pausa e fala para a Noiva: pode tirar o dardo da sua coxa!! rsrsr, Tarantino rocks!

7 comentários:

  1. Tania De Filippis Pardisegunda-feira, fevereiro 20, 2012

    Show de palavras! Pena q não posso (não devo.) expor minha 2ª personalidade aqui.... Bjus e bom carnaval!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não pode e não deve? Ok, eu ia responder a pergunta da leitora acima, mas agora também acho que não posso e naço devo. E viva o segredo!!!
      PS: mas se vc quiser contar em off posso garantir o sigilo profissional, rsrsr, e uma curiosidade apurada!

      Excluir
  2. Gente fraca é assim mesmo, não consegue assumir sua verdadeira personalidade perante o mundo.

    ResponderExcluir
  3. Não se trata de "assumir" lados ocultos ou uma personalidade única e monolítica: É CONSTRUIR OU ARQUITETAR uma dimensão diferente, um outro planeta ou outra vida, até um livro por algumas horas. Uma viagem ou várias , uma chácara ou um quartinho, etc. são o locus físico de sua imaginação. Há que trabalhar para desenvolver cada universo paralelo.
    Nestas dimensões alternativas você não está necessáriamente sozinha. Traga companhias. Este blog por exemplo: é outra dimensão. Tambem para nós seus leitores.

    ResponderExcluir
  4. A humanidade só sobreviveu porque tem uma abilidade camaleonica de se adaptar as situações .Por isso temos vários personagens para cada ocasião .A diferença entre a pessoa bem resolvida e a desajustada esta em que a primeira transita bem por todas essas personas e a segunda as confunde .Clmene

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.