domingo, 17 de junho de 2012

Gaia


"Eu estou apaixonado por uma menina Terra."
(Caetano) 

Já ouviram falar de crianças anêmicas que comem terra? Grávidas desnutridas que chupam tijolos? Moleques que comem grama?
Então, por trás desse comportamento alimentar bizarro, curiosamente chamado de Pica, algumas vezes existe uma necessidade bioquímica do organismo em restaurar alguns nutrientes, no caso os sais minerais e o ferro presentes na terra e no tijolo e a fibra da grama que ajuda a vomitar algo indigesto.

Mas...
A ingleza Natalie Hayhurst, de 3 anos, corre risco de envenenamento constante. Ela é viciada em ingerir tijolo, vidro e pedras, e já comeu até uma lâmpada inteira. Em fevereiro, Natalie tirou a lâmpada que estava no abajur do quarto e comeu. Ao perceber o que havia acontecido, a mãe, Collen, correu para o médico com a filha, que foi operada para a retirada dos cacos de vidro.
Desde então, a criança é vigiada o tempo todo pela mãe, o pai e o irmão de 5 anos. Collen afirma que alguns dias são melhores do que os outros: "Ela não tenta mais comer vidro, uma vez que isso a machucou, mas vai tentar comer pedras e paus, o que ela encontrar no jardim. Natalie é capaz de comer um tijolo como se fosse um biscoito de chocolate.", afirma a mãe (Extra, O Globo) 

A reportagem dizia ainda que, no seu último aniversário, Natalie comeu a vela do bolo.
Sim, porque cupcakes e cookies são para as fofas.
Para quem não entendeu, eu explico: isso é loucura, tá? A menina não é normal. Portanto, a sabedoria intuitiva e irracional não está lá todas as vezes que comemos algo esquisito. Menino que come cola Tenaz e gente que lambe cinzeiro podem ser apenas loucos. 
Ou porcos.

Bom, digo isso porque desde pequena tenho uma mania que hoje acredito ser uma necessidade do meu sábio organismo. Tomar Sol deitada no chão. Faço isso desde pequena. Tenho uma necessidade fisiológica de tomar Sol todos os dias.
O Sol é a minha Pica, a minha mania, até então incompreensível. 

Porém... hoje sou portadora de uma doença grave chamada Esclerose Múltipla e todo dia recebo novos estudos comprovando que a falta de Vitamina D é a principal responsável pelo aumento da doença. E a vida urbana, longe dos raios solares, colabora para o aparecimento de doenças assim.
Por isso, acredito que meu organismo já tratou de me fazer mau humorada e triste caso eu não consiga deitar por meia hora no Sol. Ele já devia saber que a luz solar seria importante para a minha saúde. Espertão!
Tem também a lenda do Sol iluminar a glândula pineal e, assim, liberar endorfinas e serotoninas. O Sol, portanto, é um poderoso antidepressivo.
Uma vez terminei um namoro e quase enlouqueci. Liguei para a minha ex-sogra, deprimidíssima, e ela, sábia que era, depois de ouvir meus choramingos disse:
-Claudia, vá tomar Sol.
Só isso. E ela era tão elegante que eu posso jurar que nem teve o desejo de me mandar tomar outra coisa! Ou em outro lugar.
Fui, e foi perfeito.
Sigo este conselho desde então.

-Triste? Vá para o Sol. 

Mas acho gozado que não basta tomar Sol, tem que ser no chão. Justo eu que não piso no chão sem sapato nem por decreto, mas na hora de deitar ao Sol... tem que ser nele. O funcionário do clube sempre pergunta: "Claudia, as cadeiras estão sujas? Você quer que eu passe um pano nelas?". Não, seu moço, gosto de ficar no chão mesmo.
Por quê?
Bom, tem o fato do chão ser quente e queimar de um jeito indescritivelmente gostoso a pele da gente. Nada traz mais alegria do que deitar molhada numa pedra pelando e sentir as gotas de água se evaporarem do corpo lentamente.
Tem também o fato do chão neutralizar as energias levando embora os ions irritadiços. Mas hoje descobri a razão principal: o chão me deixa em contato direto com a mãe maior.
"Útero é pouco.
Meu desejo de acolhimento ainda não tem nome"

(adaptação tosca da Clarice Lispector)
Agora tem: mãe Terra.
Quando deitamos no chão sentimos o carinho do planeta (além das formigas que chegam minutos depois). Ouvimos o silêncio da sua carne, somos acolhidos na dureza macia do seu corpo e sentimos a paz da sua existência. E tem também o fato de que quando deitamos no chão, com o planeta nas costas e o Rei Sol no rosto, não existe maneira mais óbvia de pertencer ao universo.
Prá melhorar, ao se deitar no chão você está o mais perto possível dos bilhões de chineses que vivem do outro lado do mundo e participa, agora mais próximo do que nunca, da coletividade mundial. Então, como queria Tim Maia, você acaba tendo consciência de que respira o mesmo ar que rodeia o planeta e tem na pele o mesmo Sol que bronzeia a todos.
E que a vida é só isso.
E é boa.

" E de nada valeria acontecer de eu ser gente. E gente é outra alegria, diferente das estrelas!" (Terra, Caetano Veloso)

Sim, gente é outra alegria.
Mamãe Gaia deve estar satisfeita com a minha súbita compreensão.

Ou talvez tudo isso seja só uma loucura minha, tal qual a inglezinha Natalie, comedora de tijolos...



Essa moça abaixo deita no chão ao Sol e, subitamente, se dá conta de que existem 9 milhões de bicicletas em Pequim. Não é incrível eu ter descoberto este vídeo DEPOIS de postar este texto?



5 comentários:

  1. Nada de loucura, darling. Só sabedoria natural, intuitiva, de que somos afinal feitos.
    Quando pequena, chupava aquelas pedrinhas pequenas e redondinhas, que parecem umas batatinhas. Ficava no tanque de areia ou quintal de casa cavando pra ver se achava e quando achava...ah! que delícia aquele sabor de terra concentrado na pedrinha!
    Só quem tem Pica e é que sabe a delícia que é! rs.
    Beijos, minha linda, tantas saudades! ´
    Já sonhando com o nosso suquinho ou chazinho (quente, de ervas!).

    ResponderExcluir
  2. Blog adequado para o Rio +20 . Já imaginou todo mundo combinando de deitar no chão na mesma hora ? Climene

    ResponderExcluir
  3. Sim, eu sempre tive certeza de que o sol nos traz uma energia extra e especial. Quando me sinto impotente para ajudar a equacionar uma situação, é o que proponho para que o protagonista consiga superar sozinho. Acho que é isso. e o que faz com que uma pessoa acredite em mim...confie,...só pode ser a compreensão do meu amor genuíno.A vida da volatas...o mesmo sol continua aquecendo e eterna Gaia. E nós, pobres mortais, carregamos nossas alegrias e nossas sinas, envoltos na esperança que temos na vida. cada um de nós tem sua história..."cada um de nós é um a sós...e uma só pessoa somos nós..."A

    ResponderExcluir
  4. O Uri Geller ja' chegou a combinar alguma coisa do tipo, na passagem do milenio. Que todas as pessoas do mundo se deitassem, ou se dessem as maos, ou algo assim, e essa energia serviria pra desarmar as armas nucleares do mundo. Mas na hora ele nem apareceu. Devia estar ocupado em alguma orgia...

    ResponderExcluir
  5. que bonito esse seu texto. mas eu nao gosto de tomar sol nao...kkk deve ser dai a minha rabugentice

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.