domingo, 31 de julho de 2011

Tan-tan tan-tan tan-tan....ahhhhhhhhhh!!!!!!




Sabem aqueles filmes de terror onde o cara se depara com criancinhas de camisola e pijama no corredor? Com carinha serena, olhar sorridente, cara de quem não vai desistir enquanto você não brincar com elas? Tem umas que até chegam com um brinquedo a tiracolo. E prá completar a cena tem aquela musiquinha sinistra de caixinha de música.
Então, tenho certeza absoluta que o criador destas cenas possuem filhos.

Filhos no corredor são o pior susto que pessoas adultas podem sofrer dentro de casa. Os meus são de uma brancura "Poltergeist", e chegam de surdina, no escuro... ai que medo! Acordo com o espectro ao lado da cama me observando.
Maldita hora que aprenderam a descer do berço.

Nada é mais assustador do que encontrar criancinhas pela casa de pijama quando elas deviam estar dormindo e liberando você para fazer o que bem entender da sua vida como assistir a um filme, ler um livrinho, fazer sexo ou, a atividade preferida de 10 entre 10 pais cansados: dormir!

Só quem tem filhos sabe a vontade de gritar que dá ao encontrar os pequenos seres olhando para nós como que querendo nos roubar a vida.
E roubam mesmo.

Testam nossos limites e sugam nossa energia até a coisa ficar insustentável.
-Mãe, estou sem sono. 
Posso brincar aqui no seu quarto?

Mas... é nessas horas que a gente descobre que tem mais energia guardada em algum lugar misterioso. E, subitamente, a coisa fica tranquila e até um pouco divertida, e daí nos descobrimos curtindo brincar de Lego ou compartilhando um Sucrilhos no meio da madrugada.

Por isso sempre digo: nossos filhos nos tornam fortes exatamente por serem tão exigentes e dependentes de nós.
A idéia da criança pidona possui dois lados (eu ia usar a palavra "arquétipo", mas deixa prá lá). Se por um lado ela te perturba e te cansa, por outro te salva de um mergulho egóico profundo, te protegendo de depressões, crises e vazios existenciais.

Graças a elas não podemos nos dar ao luxo de nos entregarmos às tristezas, doenças e crises financeiras. E é bastante comum as brigas conjugais darem uma diminuída depois que os filhos nascem, já que agora existe algo mais importante a se fazer do que ficar com ciúmes da bonitinha que trabalha com o marido.

-Vai paizão, vai dar tudo certo, confio em você
Certa vez fiz um trabalho com filmes infantis que mostrava isso: a importância dos filhos no processo de luto de um cônjuge. Tenho mil exemplos para dar, mas o Nemo é o mais popular. Lembram do peixinho exigindo que o pai se liberte do medo e enfrente a vida, com todas as suas dificuldades?
Pois é... conheço muitas crianças reais que fazem o mesmo pelos pais.



Quando pensamos que estamos cuidando dos pequenos, são eles que cuidam de nós, justamente por serem tão cheios de energia e sedentos pela vida

A "Oração de São Francisco de Assis" só é como é porque ele não tinha filhos. Gastava todo o seu precioso tempo deixando os animaizinhos roerem suas sandálias. Se ele tivesse filhos, sua oração provavelmente seria assim:




Filhinho, fazei-me instrumento de vossa paz.

Onde houver vontade de chorar o dia todo, que eu leve você para assistir mais um lançamento da Pixar,

Onde houver desejo de dormir cedo, que eu fique longas horas te contando histórias,

Onde houver dia livre para refletir sobre a dureza da vida, que eu organize piqueniques,

Onde houver arrumação esterelizada, que eu tropece na bagunça de seus brinquedos,

Onde houver 5 minutos de janela no trabalho, que eu o ajude na lição de casa,

Onde houver insônia pela falta de dinheiro, que eu tenha que fazer inalação em você,

Onde houver tristeza minha, que eu tenha que te fazer alegre,

Onde houver vontade de chorar, que você me exija um carinho.


Ó Filho, fazei que eu procure mais
consolar que ser consolado; 
compreender que ser compreendido, 
amar, que ser amado. 
Pois é dando que se recebe
é perdoando que se é perdoado 

e é tendo filho que se nasce para a vida eterna...





-Pai, pai, quero fazer xixi.
Tô com fome! Que bicho é esse? Por quê ele é peludo? Já tá na hora de ir para casa?
Quantos minutos faltam? Meu chinelo arrebentou...



-Ó Deus, dai-me paciência.



7 comentários:

  1. Filha :Você e sua irma sao nossa energia e nosso orgulho. Obrigada por terem nascido.

    ResponderExcluir
  2. Hahahaha!!!
    Ótimo, Clau!
    Adorei a oração pra S. Francisco. Brilhante!
    Mas é isso aí, neguinha, essas coisinhas (e mesmo as coisonas!) são nossa força motriz, 4ever and ever.
    Amém!!

    ResponderExcluir
  3. Amei, amei amei... perfeito!!!
    Tenho pena daqueles que tem filhos e não conseguem se desprender de seus problemas pessoais e acham tudo um saco....
    Minha vida melhorou 1000%...
    Os valores deram uma volta de 180 graus!! (360, se volta pro mesmo lado...rsrsrsrs)
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Não tive filhos, mas sobrinhos. Sei que minha irmã concordaria com cada palavra!
    Filhos ajudam a educar os pais né?
    Achei o post genial e HONESTO. Dificil que escreva isso hoje em dia.
    E acho que se alguem estiver pensando em ter uma cria...depois desse post vai querer ainda mais.
    Bjs
    Sua fã n.1

    ResponderExcluir
  5. Cláudia, descobri que não tinha lido este post... adorei!! Esta oração de São Francisco ficou perfeita. Acho que ter filhos deve ser assim mesmo... bjs Tiemi

    ResponderExcluir
  6. Onde houver monotonia, que eu possa SEMPRE me emocionar ao te ler

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.