quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Naquele sofá ele deitava sempre e me dizia sempre o que é viver melhor...


Não tem prá ninguém. A febre agora entre a molecada miúda é a Peppa.
Peppa Pig é um desenho delicioso que passa no Discovery Kids sobre o cotidiano de uma família de porcos: pai, mãe, filha e filho. Desenho com linhas simples e temas rotineiros da vida das crianças. Uma graça. Para quem não conhece, deixo aqui um episódio:



No desenho da Peppa o pai é divertido e amoroso, mas é um bobalhão. Em todos os episódios a temática se repete: o pai faz tudo errado, a mãe (que sempre faz tudo certo) fica com pena dele, tenta contornar a situação e as crianças sempre acham graça. A dinâmica é basicamente essa.
Semana passada, enquanto estávamos vendo Peppa, o meu filho de 7 anos disse algo realmente curioso:

Uma família da pesada: pai paspalho, 
filho mais velho idiota, 
mulheres espertas.
-Mãe, por quê é que em todos os desenhos o pai é um idiota?

E todos os desenhos que conheço sobre famílias me passaram pela cabeça: idiota, idiota, idiota, idiota, idiota e... super idiota!!
Uau, filho, grande descoberta! Por quê será? Por quê será que plantam essa imagem paterna em todas as crianças do mundo ocidental desde cedo?
Idiota, preguiçoso, porco, excêntrico, inconsequente, irresponsável, estabanado, ingênuo, imaturo e as vezes alcoólatra. O pai é sempre um "loser" e sempre motivo de piada para os personagens e nós, telespectadores, rolarmos de rir.

O incrível mundo de Gumball: 

filha genial, pai totalmente retardado.
E o engraçado é que em todos os desenhos a mãe, por outro lado, é esperta e, em alguns, tem uma paciência maternal com o próprio marido, dando piscadelas e sorrisinhos para as crianças relevarem o pai. Ele é sempre tratado como um personagem "café com leite" que tem sérias dificuldades em ser adulto e precisa da nossa compreensão, coitado.
O que será que acontece?
Billy e Mandy: pai ridículo e imaturo, 
filho idem. Mandy genial e séria. 
Para compreender melhor o fenômeno imaginei o contrário. Imagina se os homens dos desenhos fossem inteligentes e talentosos e tivessem que suportar as suas esposas retardadas? Não seria cruel? Não haveria um punhado de abaixo-assinados de grupos feministas querendo proibir a coisa? E por quê é que, com os homens, pode?
Sacanagem.


Claro que tenho consciência de um jeito pueril dos homens serem, mesmo depois de adultos. Tenho pai e tenho marido. Sei que os homens são uns eternos moleques e que, mesmo por baixo de uma fachada autoritária e séria, mora ali um menino cheio de manias estranhas e atitudes doces e infantis.

"Há um menino, há um moleque, 
morando sempre no meu coração. 
Toda vez que o adulto balança ele vem prá me dar a mão."
(Milton Nascimento)


The Cleveland Show: pai ridículo.
Mas o povo dos desenhos extrapola. Tirando o Fred Flintstone e seu amigo Barney Rubble (que são bem bobinhos, mas não deixam de ser homens exemplares), os outros são bem retardados. Não gosto de saber que meus filhos crescem rindo de figuras masculinas que não merecem a nossa admiração. Acho que a imagem do pai deveria ser algo imaculado e exemplar. Pelo menos na primeira infância quando o papel masculino é definido para as crianças, tanto menino quanto menina.

Zé Buscapé: pai preguiçoso e burro; 
mãe brava e esperta.
Talvez meu filho de 7 anos tenha feito uma descoberta incrível. Talvez seja essa a raiz de toda a problemática moderna de não respeito às figuras de autoridade. Os Simpsons, esta semana, comemoraram 25 anos de existência e é bem possível que há 25 anos olhamos para os nossos pais no sofá e logo lembramos da figura patética do Homer. Tadinhos. Maldade pintar um pai de família cansado como um inútil preguiçoso.    

Os Flintstones: pai atrapalhado e imaturo; 
mãe madura e esperta. 
E tem mais!! Nos desenhos a maioria dos meninos homens é igualmente burra enquanto as meninas são inteligentes. Por quê??? Coitado dos meninos. Não tem, em seus desenhos favoritos, figuras masculinas sábias e dignas para se espelharem nem na idade em que estão e nem para um futuro distante.
Muita gente se preocupa com as menininhas que crescem brincando com Barbies magras e loiras e, com isso, têm a sua auto estima abalada, mas ninguém até hoje se preocupou com os pobres meninos que crescem assistindo (e rindo!!!) da sua condição masculina patética.

Os Simpsons: pai patético, filho imbecil, 
mãe esperta e filha genial
Não tenho a menor ideia do porquê a indústria infantil de entretenimento decidiu rotular os pais como imbecis e as mães como espertas e tolerantes. Os meninos como burros e pseudo-delinquentes e as meninas como geniais. É muita coincidência o mesmo tema se repetir em tantas histórias. Será que um bando de feministas loucas dominaram o processo de criação dos personagens? Será que as mulheres estão querendo se redimir de séculos de dominação masculina no ambiente doméstico?
Não importa a razão. O importante é que sutilmente a autoridade paterna e a condição masculina vem sendo ridicularizada sem a gente nem mesmo perceber. Com muito humor, muita diversão, mas de forma definitiva.

Goku e seu pai, Bardock
O feminismo caminhou muito nas últimas décadas, mas a verdade é que não podemos evoluir rindo dos homens. Porque precisamos arranjar maneiras legais de criar nossos meninos. Porque nossas filhas precisam crescer sabendo que os homens são igualmente sábios e dignos de respeito. Porque o pai deitado no sofá é o nosso companheiro de vida.

Por mais que eu odeie desenhos japoneses vou começar a incentivar meus filhos a assistirem Dragonball Z. Lá o pai do Goku é forte, corajoso e sábio, como todos os pais deveriam ser aos olhos de uma criança. Aliás, a árvore genealógica desses Super Sayajin é feita só de homens incríveis.
Santa sabedoria oriental...


"E nos seus olhos era tanto brilho 
que mais que seu filho eu fiquei seu fã."



De qual outra família vocês lembram nos desenhos animados?













8 comentários:

  1. Claudia como assim odeia desenhos japoneses?! São os melhores (embora alguns sejam um tanto quanto polêmicos e nada educativos)! Principalmente neste ponto de vista que você citou, não conheço nenhum desenho japonês que o pai seja burro, aliás os pais são quase sempre sábios e se esforçam para que os filhos tenham um futuro melhor, penso que se espelham na realidade deles. Incentive seus filhos a assistirem cavaleiros do zodíaco por exemplo, não tem pornografia e nem palavras baixas. Ah! Tem um desenho ocidental que o menino não é nada burro, mas a irmã sim! O Laboratório de Dexter!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem querer apaguei meu próprio comentário... Acontece né?

      Bem, eu queria só deixar uma recomendação de desenho japonês, não para seus filhos, mas para você. Se chama Clannad e peço para que não se assuste pela aparência do desenho. Sua história, pelo menos para mim, é de uma beleza incrível. Ele é dividido em duas temporadas, a introdutória(e necessária assistir primeiro) e a final que se chama Clannad After Story.

      Não é algo que todos podem gostar, eu sei. Mas não custa nada experimentar não é? Se permitir fazer o que não gosta pode ser uma experiência maravilhosa... Eu sei que para mim foi.

      Excluir
  4. Claudia que bom que v. voltou com tudo. Já li os blogs, parece que um tal e tanto polemico não está mais no ar. Tudo bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! (seja lá quem vc for) Vc disse que há um post polêmico que saiu do ar? Jura? Qual é?
      Tinha voltado com tudo sim, mas tenho tido muito problema esta semana com posts antigos que geram comentários agressivos de gente que me entende mal e fica furiosa com mal entendidos. Já estou pensando de novo em desistir :(

      Excluir
    2. Ah... o maravilhoso mundo da internet onde as pessoas que não aceitam o pensamento do outro se expressam de forma agressiva...
      Uma pena você se abalar com isso pq seus textos são tão bons, eu volto aqui sempre, mesmo tendo quase certeza que não encontrarei atualizações...
      Eu não concordo com tudo que você diz, mas prefiro elogiar um bom autor do que atacar ele quando o mesmo coloca um ponto de vista diferente do meu sobre algo.
      E os teus textos polêmicos são sempre os melhores, fazem a gente pensar (isso pra quem gosta de pensar né...).
      E olha, eu vejo gente assim por todos os lados da internet, a melhor maneira é ignorá-los, fingir que não disseram nada, deixe-os lá falando sozinhos, igual se faz com criança birrenta, aí eles vem que não estão tendo audiência aqui, dão meia volta e vão embora.

      Ah Claudia... o blog é seu, você não obrigou ninguém a acessá-lo ou ler teus textos, e nós que gostamos de ler o q você escreve ficamos aqui... nos sentindo abandonados =(

      Excluir
  5. Muito bom o seu blog! Gostei muito!!! Só não vou seguir agora pq estou pelo celular mas assim q ligar o PC, vou seguí-lo. Parabéns, continue assim s2s2

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.