sexta-feira, 11 de maio de 2012

What a feeling!!

Sei que estou em dívida com este blog, mas é que existe um chamado mais importante para ser ouvido no momento. Nestas últimas semanas já escrevi aqui uns 4 posts e TODOS tinham o mesmo título: Alquimia. Não conseguia fugir do assunto porque a energia da transformação pulsa intensamente dentro de mim.
Não publiquei os textos porque eram demasiadamente pessoais.
Bom, resumindo: a bidimensionalidade da tela deste computador já não me basta. Preciso do concreto. Começou com um desejo de fazer pães e tentar novas receitas (quer algo mais alquímico do que a culinária?), depois foi para o artesanato e a vontade de criar algo perene.
Ando tendo necessidade de pôr as mãos nas coisas já que, só assim, conseguirei honrar o chamado alquímico que me aflige há alguns meses. 
"Os alquimistas estão chegando. Estão chegando os alquimistas"
 (Jorge Benjor em mais uma de suas frases ultra criativas)

Carl Gustav Jung parou de pensar e escrever por alguns anos e ficou isolado do mundo acadêmico, construindo a sua casa de pedras na beira de um lago em Zurique (abaixo).
Literalmente construindo! Passava dias carregando as pedras e misturando cimento.  Jung precisava disso para equilibrar a sua alma. Depois de tantos anos dedicado-se ao intelecto, sentiu a necessidade de envolver-se com o arquétipo mais primitivo e bruto que há: a pedra. E construir uma casa feita de pedras tinha muitos significados para ele.

"A criação de algo novo é consumado pelo intelecto,
 mas despertado pelo instinto de uma necessidade pessoal. "
 (Carl Gustav Jung)  

Sou, portanto, exatamente como Jung, hahaha! Depois de 1 ano (apenas 1 ano!!) pensando e escrevendo bobagens no blog, preciso parar um pouco para usar as minhas mãos em algo realmente arquetípico.
Mas não são as pedras. Já vou explicar...

Para ilustrar o meu drama e me justificar da ausência no blog, publico um texto perdido por aqui:

Certa vez acompanhei um programa na TV a cabo onde um grupo de pessoas batem na porta de um anônimo e dizem:
-Você aceita ser desafiado? Quer fazer bem feito uma coisa que você nunca fez na vida?".
E aí transformam a pessoa num especialista em algo bem exótico e totalmente fora da realidade do cara.
Fui atrás do nome do programa e não consegui descobrir.
Já fui boa em pesquisas.

Bom, seguindo a proposta do apresentador, em 3 meses o anônimo desafiado tem que, não só aprender a cozinhar, como precisará assumir a cozinha de um restaurante famoso. Em 3 meses a dona de casa, sedentária e gordinha, tem que, não apenas aprender a patinar, mas precisa se classificar para as finais num torneio. Em 3 meses alguém que nunca subiu num cavalo precisa emagrecer 20 quilos e competir nas provas de hipismo.
Tipo isso. Desafio de gente grande, porque "Dança dos Famosos" é para os fracos.

Bom, queria que alguém batesse na minha porta e me desafiasse. Ando louca para saber o que ainda consigo fazer nessa vida. Deve ser a tal crise da meia idade...
Como sou azarada, sei que a proposta do programa seria algo bem indecente, do tipo:
-Duvido que você aprenda tudo sobre finanças e vire, em 3 meses, gerente de investimentos do Itaú Personnalité.
Ou...
-Duvido que em 3 meses você desenvolva força e resistência e se torne a primeira mulher brasileira, psicóloga, de olhos verdes, com esclerose múltipla, operada de apendicite a subir o Everest."
Hahahah, cada um pode ser o primeiro a subir o Everst, basta detalhar bem as suas características.
Bom, estes convites eu recusaria. Amputar falanges congeladas não é algo que me atrai.

Mas adoraria que alguém entrasse na minha casa e dissesse: "Quer estrelar num musical da Broadway? Quer aprender confeitaria e abrir uma loja de doces incrível? Quer aceitar o desafio de aprender saltos ornamentais e competir nas próximas... Para-Olimpíadas?".
Sim, eu aceitaria.
Ia ser mesmo bacana me jogar inteiramente numa história diferente da minha rotina.
Mas de tudo o que eu sempre quis fazer na vida, serralheria é o meu maior sonho.
Juro.


Depois de ser top model e estar na folha de pagamento nobre da Rede Gobo, minha amiga Ana Paula Arósio confessou que ainda tem um sonho: competir profissionalmente no hipismo.
Eu também tenho um: usar uma solda e dobrar elegantemente as barras de ferro como Hector Guimard (que ilustra este post). Existe uma necessidade alquímica em mim que me obriga a dominar os metais, além de quebrar termômetros e brincar com as bolinhas do mercúrio.
Culpa do "Flashdance". Desde que assiti ao filme, com 8 anos de idade, acho o máximo as fagulhas da solda.
 
Esta semana comecei a usar intensamente serras, lixadeiras, morsas e furadeiras. Bacana, mas não tem o mesmo impacto estético que o ferro. Madeira é muito country. Ferro é eterno. Os metais são anciãos que devem ser louvados e respeitados.
Quando entro numa loja de decoração, tudo o que eu vejo de bacana tem metal. Queria muito fazer aquilo mas, como não sei usar uma máquina de solda, não faço por este impedimento besta.
-Duvido que você, em 3 meses, aprenda a usar a solda e faça uma coleção incrível de móveis, abajures e objetos de decoração estilo art nouveau!!
Meu sonho.
Bom, como nenhum programa nunca baterá na minha porta me propondo o desafio, decidi sair em busca de aulas de serralheria. Infelizmente não existem escolas franquiadas com esta proposta, mas deve haver aqui na minha cidade um velhinho serralheiro que aceite ser meu professor nas horas vagas.


Sei que não é algo muito fofo e nem sexy, mas para dar uma equilibrada na masculinidade da coisa, eu podia continuar o enredo "Flashdance" e, para me aliviar do calor da solda, poderia tomar um banho de balde usando... polâinas.
Sim, porque em casa de ferreira, o espeto ainda tem que ser de pau!
Vamos ver no que vai dar.

8 comentários:

  1. Bravo!!! E quem disse que nao é fofo nem sexy? Jennifer Beals?

    ResponderExcluir
  2. Eu podia cantar aquela infame musiquinha "até que enfim, até que enfim", mas não vou, em respeito à tua tão sabida decisão. E, como diz o dito, antes tarde do que nunca!
    Vai fundo, minha loira, mete as caras, a mão, o corpo inteiro no ofício (veja bem, ofício! hehe) e colha desta entrega os mais doces louros e os mais duros metais - sob o teu domínio!
    Boa sorte na busca pelo velhinho. Ou velhinha....quem sabe? Com certeza existe um/uma te esperando. Mesmo que eles nem sejam tão velhinhos assim.
    Sempre na torcida, tua mana você sabe mto bem quem!

    ResponderExcluir
  3. Adorei! Em vários momentos da vida precisei tanto de um bom serviço de serralheria...
    Boa sorte! Quero ver o resultado.
    Beijo enorme,
    Sil

    ResponderExcluir
  4. serralheria?? ai, ai
    nao vejo a menor graça. mas juro que vou gostar do resultado.

    Agora, banho de balde nao, ne...pelamor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, não te convido para o meu banho de balde. Mas já adianto: vai ser um espetáculo!

      Excluir
  5. Agora entendi!
    Parabéns pro Fabio!
    Helena Fontenele

    ResponderExcluir
  6. eie... gostei! amo serralheria, alias vc devia conhecer o corrimao da casa redonda, feito por um artista argentino.. um luxo, vou procurar uma foto...
    no mais queria te contar que já tentei me aventurar por esses meios amadoristicamente: comprei uma mini solda, juntei 100 reias em moedas de todos os valores, e gostaria de fazer uma cupula feita de moedas (luminária) ... mas ... elas nao soldam!!!! tentei solda, tentei super bonder... nada!!! Ei, boa sorte! Dane.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As moedas não soldam mesmo! A química dos metais explica.
      Quero fotos do corrimão argentino da casa redonda!!!!

      Excluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.