quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Rio porque quí-lo


Meu filho me disse hoje:
-Hey, Mother Foca!!!!!! Ahahahahaha!!!
(fiz uma enorme amiga apenas porque me encantei por essa frase boba)


Nada no mundo é melhor do que o humor.
Passei a vida ouvindo isso do meu sábio avô e não acreditava. Achava que havia características mais louváveis num ser humano como lealdade, compaixão, inteligência...
Não tem. Uma pessoa bem humorada é a melhor companhia do mundo, mesmo que ela te passe a perna e te sacaneie.

"Que importa se ela lhe fizer de tolo.
Que importa se ela o arranhar?"
(João Bosco)

-Mãe, me leva no Simba Safado?
Simba Safado, Hahaha!
(dito por uma fofa de 2 anos)
Pelo menos você pode dizer que passou bons momentos ao lado da pessoa e liberou endorfinas para te sustentar por um bom tempo, até você encontrar outro alguém. Melhor do que lembrar da época cinza ao lado do cara bom e leal.
Bom, eu acho.

Mas peraí: não falo de uma tentativa frenética de ser o palhaço da festa e nem uma insensibilidade com o ambiente que não está receptivo à uma piada. Odeio gente sem noção que não percebe que está em descompasso com a platéia, trazendo um assunto sem eco, fora de lugar.


Resolvi fazer este post porque ando me encantando por pessoas bem humoradas. Tem um charme todo especial e tornam o nosso dia mais animado. Adoro pacientes bem humorados (existe! mesmo na pior das depressões), amigos bem humorados e comerciantes bem humorados. Torna o dia mais digerível e a existência algo válido.
E nos romances, dar risada depois de discutir a relação também não tem preço!

-Você disse "Miau", eu disse "Miau, miau!" e você gritou: "Não mude de assunto!!!!!!!" Hahahaha, foi muito engraçado!
(piada preferia dos meus filhos)

É claro que o humor fino, inteligente e sutil é sempre o melhor. Gente que usa poucas palavras para dizer muito e que sabe ser sarcástico e irônico sem menosprezar a inteligência alheia.
-Oi, esta semana vou na sua casa te visitar.-eu digo.
-Ah, legal, pode vir, e traga seu cachorro.
-......hum, você está falando sério ou tá brincando??
-Estou falando sério. Por quê brincaria?- diz, sorrindo. 
Aí ficamos olhando para a pessoa, aflitos por não captar a piada e envergonhados por sermos feitos de tontos. Odeio isso!! Odeio gente que usa o humor para humilhar os coitadinhos que não captaram a ironia da coisa.

Ah, e não tenho nada contra o politicamente incorreto, mas o excesso de humor chulo também é chato. Aqui no blog nunca fiz piada de mau gosto e passo longos minutos escolhendo as fotos para não colocar imagens de pessoas em situações humilhantes. Sabe aquelas fotos: "Salvem as baleias" com uma mulher gorda na praia? Então, não tem graça nenhuma.
O bom humor (nos dois sentidos) é aquele que coexiste com o respeito.
E Jô Soares conseguiu definir bem a lógica: a coisa é engraçada quando o outro acha graça. Se o outro não achou graça, pronto, a piada foi ruim.

Ah, e tem também os que chutam alto demais!!! Os muito cultos, viajados e inteligentes as vezes fazem piadas tão boas, mas tão boas que não são compreendidos. Conheço alguns assim.Tadinhos.Precisam de platéias mais espertas, o que é raro em alguns ambientes. Aí o seu humor sofisticado fica incompreedido no meio da gentalha. Tipo pérolas aos porcos, tipo cogumelos em estrogonofe para crianças, hahahaha, sempre terminam na beirada do prato.
Por isso digo que, no humor, sensibilidade é tudo.
E conhecer a platéia é sempre um bom começo.

Boa Platéia
Mas ser uma boa platéia é também ser, além de inteligente, bem humorado. Podemos ser passivos ou ativos, quando lidamos com a graça da vida. Não há restrições e nem preconceitos ao bom humor.
Ativo é o humorista. Passivo é o cara que ouve e... acha graça.
Isso é raro! Raro prá caramba!!
Ainda não sei se sou ativa ou passsiva. Acho que em termos de humor sou transgênera!! Tenho atração por gente engraçada, mas também sinto um enorme prazer em dar o troco. Sou boa mesmo no frescobol: o povo manda e eu costumo retrucar à altura.
Mas, além disso, definitivamente sou uma platéia que se contenta com pouco. Não gosto de refletir e filosofar em cima de piadas, procurar algo nas entrelinhas, indiretas onde não houve nenhuma intenção, maldade onde não existe nada. Porque se fizermos isso, tudo vira polêmica, tudo vira assunto para discussão e uma frase que era para ser fugaz acaba virando perene, documentada nas primeiras páginas da Veja ou da Época.
Rafinha Bastos é especialista nisso. Acho o cara um babaca, mas ele, definitivamente, não merecia a polêmica em torno de suas frases. Chato demais...

Tenho pena das pessoas sérias que acham que piada tem que ser igual a elas.

Homem Sério do
Pequeno Príncipe
"Mas ele não é um homem, é um cogumelo"
Não gostou da piada? Não entendeu?? Não aplauda, não compartilhe, mas não precisa levantar bandeira em cima de tudo, ok? Não seja xiita com o humor porque radicalismo e diversão não combinam.

Tenho uma empregada nova que tem mil defeitos, mas me conquistou pelo humor. Ri de tudo e se diverte com pouco. Olho para ela todos os dias com deslumbre, admiração e respeito. Não é uma bem humorada ativa, mas é uma excelente passiva, uma companheira ideal para reafirmar nossa auto estima quando nos sentimos azedos. Faz a festa da criançada aqui de casa que se sente valorizada com a sua escuta sempre amorosa e alegre.
E não tem vidro limpo que compense uma funcionária assim.

Humor, ativo ou passivo, é a forma mais genuína de melhorar o mundo.
É a melhor maneira de fazer o bem ao próximo. Os Doutores da Alegria, Hospitalhaços e afins conhecem esta verdade.

"(...)Tenho um amigo meu
que faz coisas engraçadas.
Faz caretas divertidas
e sabe contar piadas.
Eu também quero fazer
as pessoas rirem assim
porque esse meu amigo
sabe fazer bem prá mim.

Acho bacana essa coisa
de deixar tudo melhor
só deixando que o riso
leve embora o que é pior.
Minha mãe um dia disse
que isso chama bom humor.
Mas eu acho que prá mim
se parece mais com amor.
(Claudia Só Para Baixinhos II)





PS: Este post, contraditoriamente, não é para ser engraçado. É apenas um louvor às pessoas que me fazem rir.






5 comentários:

  1. Muito legal, Claudia! Venho sempre aqui no seu blog e sempre me divirto. Obrigada pelo seu humor/amor.

    ResponderExcluir
  2. Nao há dinheiro que pague um blog gostoso como esse. Adorei !

    ResponderExcluir
  3. A piada do gatinho é ótima, mas não entendi a do cachorro!
    No mais, afiadíssima como sempre!
    Saudades do seu blog... e dos campos de trigo!!

    ResponderExcluir
  4. A do cachorro não é para ser compreendida. É para o leitor sentir na pele o desconforto de não entender a piada. Um texto em 3D...hahah. Entendeu? Todos os meus movimentos são friamente calculados.
    Tudo tá aqui. Tudo tá lá. Com menos graça, mas tá. Clau (não consigo definir conta Google em meu próprio blog!!, foca!! )

    ResponderExcluir
  5. Queria doar. O Pay pal pede a data de nascimento, que não consta do formulário de cadastramento.

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.