sábado, 19 de novembro de 2011

Disseram que eu fiquei americanizada...


Certa vez li um livro da Danuza Leão sobre etiqueta.
Tinha muitas coisas estranhas por lá, como a sugestão de pular da cama todos os dias antes do marido para escovar os dentes, lavar o rosto, escovar o cabelo e... voltar para a cama para supreendê-lo com um olhar limpo e um hálito de hortelã. Danuza dizia que isso era um carinho com o parceiro e uma tentativa de manter acesa a admiração dele por você.
Tenho uma conhecida que seguia a risca os conselhos de Danuza. Saia da cama as 5 da manhã e, além da higiene óbvia, fazia também maquiagem e escova no cabelo (isso antes, bem antes da progressiva). Aí quando o namorado abria o olho, ela fingia que estava acordando e ele dizia:
-Nossa, gata, você é linda mesmo quando acorda!
Durante anos ele acreditou que ela... nasceu assim!


"Me sorri um sorriso pontual e me beija com a boca de hortelã."
 (Chico Buarque)

blush, rímel, batom rosa e sombra: original de fábrica.

A minha teoria sobre a coisa é oposta. Reze para conheçer o homem da sua vida quando estiver de pijama e descabelada, porque qualquer coisa que você faça depois disso te transformará numa princesa linda e sempre surpreendente.
Trust me.

Mas havia uma coisa que Danuza defendia no livro que eu concordo plenamente: gente que conversa em outra língua na frente de funcionários é grosseiro e mal educado.
Putz, e é mesmo! Sabe o que é isso?
Já aconteceu comigo várias vezes.
Cena: Estou no Brasil com uma amiga, conversando obviamente em português. Entramos numa loja e ela pede à lojista, ainda em português, um produto qualquer. De repente, na frente da vendedora, olha para mim e diz: "Revenons à la première boutique." (Vamos voltar à primeira loja).
Nos primeiros milésimos de segundo, quando eu percebo que a coisa está acontecendo (e isso acontece muito!) eu já viro as costas e saio de perto. Vou esperar a pessoa lá fora.
Odeio isso com todas as minhas forças por várias razões:
1) A fulana mal educada pressupõe que eu tenho a obrigação de compreender seja lá qual for a língua que a ela inventa de falar naquele momento. E isso me faz sentir mal por não ser tão poliglota quanto deveria, rsrs.
2) É grosseiro com a vendedora que se sente humilhada, já que o nosso diálogo apertou a tecla SAP obviamente para excluir ela da conversa.
3) É prepotente, já que subentende que a vendedora é uma ignorante e nunca compreenderá o que secretamente estamos conversando. Mas, num mundo globalizado, é bem capaz que a mocinha trabalhe para pagar o seu curso na Aliança Francesa!
Péssimo!!

Uma vez fizeram isso comigo. Eu esperava o cinema abrir sentada num sofá e lendo o meu jornal que estava jogado no assento ao meu lado. Duas mulheres estavam de pé na minha frente conversando em português. Quando levantei a cabeça vi que elas eram idosas e estavam espremidas por um multidão. Tirei o jornal do meu lado e ofereci o lugar para elas:
-Querem sentar?
-Não, obrigada, o seu jornal deve estar bem mais cansado do que eu.
Olhou para a amiga e disse:- Such a stupid question!
Que petulância a dela achar que eu não entenderia a sua falta de educação comigo! Desejei então que ela morresse de exaustão enquanto o cinema não abria. Azar! 

Para os grosseiros de plantão, eu digo: Inglês não vale, tá? Inglês é uma linguinha universal que qualquer Zé Mané compreende. Até eu. 


E aí é que está a raiz do problema. O inglês é tão banal que acabamos cometendo a gafe de usá-lo corriqueiramente e, assim, parecermos igualmente arrogantes ao usá-lo num país tropicaliente como o nosso.
Bom, não sou originalmente esnobe, mas já fizeram eu me sentir assim quando lanço frases em inglês aqui no blog.
Ei!!!! Todo mundo entende inglês! Esnobe seria se eu usasse achando que estivesse atingindo uma minoria!
Neste texto, mesmo, eu já usei um "Trust me" lá em cima. Mas é que eu queria ser engraçada e dar a intenção de que estava abrindo os olhos, levantando a sobrancelha e sendo enfática ao dizer, séria, a palavra trust. 
Hahaha, façam isso e vejam se não fica beeem mais legal do que dizer um simples: Confie em mim. 
Esta semana também usei um "How dare you?" numa mensagem a uma amiga. Sim, eu  podia escrever: "Como ousa?", mas a petulância do sotaque britânico na palavra dare não estaria nas entrelinhas e a coisa não teria tanto charme.
Que nem o "What the fuck?" que, em português, seria um "Mas que diabo?" mas não tem a intenção malandra e divertida do inglês, sem necessariamente ser um plavrão. 
"By the way", idem.  

Parece que a língua portuguesa ficou restrita, sem repertório. Existem sentimentos que só em inglês conseguem ser expressos com a ênfase que gostaríamos e isso, tenho certeza, é obra da TV e do cinema que moldou nossas emoções diante da vida.
O seriado Friends é um exemplo disso. A entonação da Janice ao dizer "Oh My God" é o que me motiva todas as vezes que uso a expressão.

PS: Adoro o comentário de um cara que escreve (abaixo do vídeo) que ela parece a Amy Winehouse. Oh My God!!! Amy deve se revirar no túmulo ao ser comparada com a irritante Janice. Mas a verdade é que parece mesmo.


E o "Nooooooooo" da Rachel?

 E não vamos esquecer do jargão ´"How you doin" de Joey Tribbiani:



Isso sem falar do "Get out!" da Elaine (Seinfeld).
Nada em português chega aos pés desta expressão famosa da famosa série americana. Esta semana falei "Mentira!!" para um amigo e ele não entendeu. Eu queria dizer: Não acredito! Estou estupefacta!!!!, mas não consegui me expressar de acordo. Se eu tivesse dito o "Get out!", estilo Elaine Benes, tenho absoluta certeza que ele me entenderia. 

Mas a expressão que eu mais amo em inglês é "Oh, Get a Room!!!" que é usada quando um casal está se beijando em público e o povo diz: "Arranjem um quarto!"
Adoro essa frase.
Morro de vontade de usar ela em diversas ocasiões, mas não fica bem no português porque o significado não é só literal. Podemos usar a expressão em diversas outras ocasiões: ao presenciarmos uma briga de namorados na rua, quando temos que interromper uma conversa para o povo atender o celular e ficar looongos minutos conversando enquanto você espera, ou quando o povo no Facebook fica conversando no mural com a irritante linguagem internáutica como se não existisse uma coisa abaixo chamada chat.
-Oi Pri, o q se vai faze hj?
-Naum sei.
-Vamo tomar um chopp?
-Vc vai?
-Cara, lembrei agora do dia que tomamos um porre no Guarujá.
- kkkkkkkkkkkkk. Só eu neh?????????
- Liga prá mim 86745433 (pq que colocar o seu telefone num mural público?)
- To ligando (se tá ligando por que precisa escrever?????)

Oh, get a room!!!!

Estamos todos americanizados! Get used to it!!!!

7 comentários:

  1. luz na passarela que la vem ela... a rainha do contra.
    Nao acho que todo mundo saiba ingles. na verdade, acredito piamente que a maioria NAO SABE.
    Nao sabe nem o "trust me" nem o "get a room" nem muitas outras coisas que a gente fala sem se dar conta de que esta sendo esnobe.
    Cansei de passar vergonha e morrer de pedir desculpas depois de fazer uma gracinha sem graca em ingles basico e a pessoa ficar me olhando com cara de joelho. Ate mesmo aqui no exterior, onde se espera que as pessoas SAIBAM falar ingles.

    O seu blog e o maximo. Adoro. Mas vc acha que todo mundo que chega ate ele teve acesso a aulas de ingles, a viagens ao exterior? Mesmo os seriados que voce cita. Eles so sao em ingles na TV a cabo. Tv aberta passa dublado...

    Acho que a unica palavra que todo mundo entende e FUCK!

    Mas eu posso estar sendo arrogante de achar que tenho a resposta pra coisa. talvez eu nao saiba de nada. nem em ingles, nem em portugues, nem em lingua nenhuma.

    inaier.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Tania De Filippis Pardidomingo, novembro 20, 2011

    E O "WHATEVER"? hahaha pra mim não tem resposta melhor à tudo.
    "você está atrasada" R.: Whatever
    "Você não me ama mais" R.: Whatever
    "Você não me ligou ontem": R.: Whatever
    Já deixei muito macho P. da vida (e apaixonado)com essa resposta!
    Mas tem que fazer aquela cara BEEEM de escrota qdo responde.
    beijos e amei o post! SO TRUE!
    Tania

    ResponderExcluir
  3. "Disseram que eu voltei americanizada..."
    Beijos,minha pretinha. Muitas saudades de vc...que anda tão silenciosa comigo...

    ResponderExcluir
  4. Inaiê: 40 % dos acessos a este blog vem de fora do Brasil e 99% dos leitores brasileiros que eu conheço que lêem isso aqui compreendem estas frases. No meu ponto de vista, não tem porque não usá-las!
    Realmente seria muito esnobe eu ficar lançando elas para a moça que trabalha aqui em casa ou se o texto fosse uma apostila para garis, mas não é o caso... e mesmo assim acho que talvez coubesse: o povo anda cada dia mais plugado no mundo.
    "Whatever´" é mesmo ótimo! Quer dizer muito e, ao mesmo tempo, nada. Perfeito para quando não sabemos ou que dizer ou querermos criar um ar blasé, entediado. Boa lembrança, Tânia! Clau

    ResponderExcluir
  5. Catfight!!! lol, não briguem meninas, ta tudo certo, a galera que não entendesse o blog não passaria do post 2.

    ResponderExcluir
  6. Sabe o que a maioria acha grotesco, sutíl, idiota, enfim como queira chamar? Bom o simples fato da pessoa falar em inglês somente para mostrar para outra, que ela fala essa língua como você disse inglês é uma língua obrigatória, mais nem todos sabem falar tal, então fica meioa sem graça a pessoa falar QUALQUER PALAVRA em inglês para outra e estar ter que perguntar: O que você falou? Super chato, e tipo eu falo 19 línguas dentre elas as mais simples tais como coreano, espanhol, malaio, tagalo, turco, francês, croata, indi, letão, francês, chinês, dentre outras; agora você dono(a) desse blog gostaria de receber uma mensagem assim:
    Bok, kako ste?
    Hai, bagaimana anda?
    Salut, comment vas-tu?

    É seria chato não é mesmo? Você ter que mostrar a sua completa ignorancia, para determinada pessoa, então faça um favor para a sua insignificante existência e (principalmente para os outros) não use mais termos que qualquer outra língua, pois como você falou, ninguém está interessado na sua pacata vida.
    Até mais, boa noite

    David, tradutor de mais de 200 livros, inclusive a Bíblia sagrada para o polonês

    ResponderExcluir
  7. David, quer uma medalha?

    ResponderExcluir

Se você não tiver uma conta Google e quiser comentar: escreva na caixa, assine (para eu saber quem escreveu!) e escolha a opção "Anônimo". Pronto! Seu comentário aparecerá imediatamente no blog.